quarta-feira, 28 de outubro de 2015

CÁSPER LÍBERO ABRE AS PORTAS PARA SEMANA ACADÊMICA

Dois eventos de pesquisa científica serão promovidos no começo de novembro, dentre eles o maior encontro de mestrandos de comunicação do país


No mês de novembro, a Faculdade Cásper Líbero realizará dois eventos acadêmicos de grande porte logo na primeira semana do mês. De 3 a 5 de novembro acontecerá o 12º Fórum de Pesquisa Cásper Líbero, evento que trará os trabalhos realizados pelo Centro Interdisciplinar de Pesquisa – CIP da Faculdade. Logo após, nos dias 6 e 7 de novembro, será sediado o maior evento de mestrandos de comunicação do país, o 11º Interprogramas de Mestrado Cásper Líbero.
Com o objetivo de consolidar o laço da Faculdade com a pesquisa cientifica, o Fórum de Pesquisa da Cásper Líbero é um espaço de compartilhamento de conhecimentos e diálogos. O evento terá 35 apresentações durante os três dias, em alusão ao 35º aniversário do Relatório Um Mundo e Muitas Vozes, conhecido como MacBride, de Sean MacBride, vencedor do Nobel da Paz em 1974. O Relatório, que defendeu a polifonia da comunicação como caminho para a democratização do mundo, é o tema do encontro.
Já para o 11º Interprogramas de Mestrado, evento que conta com o maior número de mestrandos no Brasil no campo da comunicação, será promovido um diálogo entre os participantes a respeito das pesquisas que desenvolveram ou desenvolvem durante o mestrado. Serão diversas apresentações durante os dois dias, com oito mesas para cada dia, abordando variados temas de estudos e pesquisas.
Os encontros são de organização do Centro Interdisciplinar de Pesquisa da Faculdade Cásper Líbero, que neste ano de 2015 completa 15 anos de existência.
Inscrições e informações no site www.casperlibero.edu.br.

12º Fórum de Pesquisa Cásper Líbero – 3 a 5 de novembro          
Horários: 
9h às 11h / 19h30 às 22h30
11º Interprogramas de Mestrado Cásper Líbero – 6 e 7 de novembro   
Horários: 
6/11 das 13h30 às 18h e 7/11 das 9h às 13h
Local: Faculdade Cásper Líbero – Av. Paulista, 900

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

"Diálogos Críticos" com a semióloga Lúcia Santaella na Casa das Rosas


Dialogar talvez seja a forma suprema de conhecimento. Por isso, a Casa das Rosas – Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura, realiza no dia 30 de outubro, às 19h30, o ciclo de discussões “Diálogos Críticos”. Este mês, a convidada é Lúcia Santaella, uma das principais divulgadoras da semiótica e do pensamento de Charles Peirce no Brasil, com mais de quarenta livros publicados. O evento terá como mediador e “provocador” Edson Cruz. A Casa pertence à Secretaria de Estado da Cultura e é gerenciada pela organização social Poiesis. 


O que é a literatura? Para que serve a arte? A crítica literária é importante? O que é cultura relevante? Como lidar com a indústria cultural sem ser devorado por ela? A cibercultura veio destruir a cultura como a conhecemos? O ciclo busca refletir sobre essas e tantas outras questões pertinentes ao homem contemporâneo.


Para participar é necessário retirar ingressos na Recepção da Casa das Rosas com uma hora de antecedência. Aqueles que quiserem participar online, podem enviar perguntas para o Twitter do museu: @casadasrosas











Serviço:
Diálogos Críticos – com Lúcia SantaellaSexta-feira, 30 de outubro, às 19h30Mediador e provocador: Edson CruzDistribuição de ingressos: a partir das 18h30
Casa das Rosas – Espaço Haroldo de Campos de Poesia e LiteraturaAvenida Paulista, 37 – próximo à Estação Brigadeiro do Metrô.Horário de funcionamento: de terça-feira a sábado, das 10h às 22h;Domingos e feriados, das 10h às 18h.Convênio com o estacionamento Parkimetro: Alameda Santos, 74 (exceto domingos e feriados).Tel.: (11) 3285-6986 / (11) 3288-9447.Site: www.casadasrosas.org.brTwitter: www.twitter.com/casadasrosasFacebook: www.facebook.com/casadasrosasInstagram: www.instagram.com/casadasrosas

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Viagens do fotógrafo Pierre Verger ganham exposição em São Paulo


Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil
Foto da Exposição Pierre Verger
Foto da Exposição Pierre VergerFundação Pierre Verger
As viagens do fotógrafo, etnólogo, antropólogo e pesquisador francês Pierre Verger (1902-1996) são o tema de uma exposição aberta no Museu Afro Brasil, no Parque Ibirapuera, em São Paulo. Com o nome As Aventuras de Pierre Verger, a mostra fica em cartaz até 30 de dezembro e pretende, sobretudo, atrair as crianças.

A curadoria e coordenação é de Alex Baradel, responsável pelo acervo da Fundação Pierre Verger. “Pensamos em mostrar um pouco o itinerário de Verger até ele chegar no Brasil, depois de várias viagens que fez, focando um pouco nos assuntos que interessam também ao público infantil”, disse o curador.
“As crianças se identificam muito nas fotografias de Pierre Verger, embora sejam em preto e branco e antigas. Mas ele era precursor porque sempre desejou conhecer outros mundos, viajar e descobrir outras culturas. E esse é um assunto que sempre interessa aos mais jovens – o de ver outros horizontes. Pegamos viagens atraentes para as crianças, por exemplo uma viagem que ele fez à Polinésia onde, durante quatro meses, morou em uma ilha sem nada, assim como Robinson Crusoe [personagem náufrago de um romance inglês]. E é o sonho de muitas crianças viver em uma ilha”, disse Baradel.

Na exposição, as fotografias de Verger dialogam com outros documentos, entre eles uma obra do pintor Paul Gaughin e uma revista das Aventuras de Tintin [história em quadrinhos criada em 1929]. São cerca de 270 fotografias - 50 delas em vídeo - registradas pelo fotógrafo em suas viagens, agrupadas em nove módulos que ajudam a contar as viagens de Verger: Paris, Viagens, Polinésia, Saara, China, Peru, África, Projeto e Educativo. Há também 11 ilustrações do artista visual baiano Bruno Marcello (Bua) que retratam Verger em diversos episódios e contextos.

Verger saiu da França com 30 anos, após a morte de sua mãe. Passou então muitos anos viajando pelo mundo até que, em 1946, chegou a Salvador. “Quando chegou à Bahia, ele se apaixonou pela cidade, se interessou muito pela cultura afro-brasileira e passou a viver em Salvador, até a morte”, contou o curador. Na Bahia, ele começou a se interessar pela religião de origem africana, que passou a ser tema de suas pesquisas e fotografias.

Edição: Graça Adjuto

Midia e Política


"Entre Artes - Modos de Olhar do Escultor e Cenotécnico Roberval Layus" desnuda o processo de criação e do fazer artístico



Mostra reúne aproximadamente 60 esculturas em madeira, 25 em bronze, modelos em gesso e cera utilizados na fundição das esculturas, ferramentas e materiais utilizados na feitura das peças e catálogos de trabalhos realizados


 "Entre Artes" traz a produção do cenógrafo e escultor Roberval Layus, cujo trabalho está intimamente ligado aos eventos artísticos realizados em diversas capitais brasileiras. A exposição fica em cartaz de 14 de outubro de 2015 a 31 de janeiro de 2016, no espaço das Oficinas de Criatividade do Sesc Pompeia.


A mostra traduz, por meio de fotos, obras, utensílios e ferramentas, os processos criativos e tramas que alicerçam o trabalho de Roberval e, de uma forma mais ampla, o próprio fazer artístico. "Minha familiaridade com o universo das ferramentas escultóricas vem da infância. Meu avô tinha grande interesse pela marcenaria e meu bisavô era carpinteiro. Desde cedo comecei a brincar de esculpir com facas de cozinha em barras de sabão e fiz meus próprios brinquedos", destaca o artista.
A exposição reúne as obras escultóricas do artista, mostrando os processos de criação, desde os primeiros desenhos, o uso da madeira, do entalhe e da fundição em gesso e cera. Além dessas peças, será apresentado também o processo de produção do totem comunicativo do Conjunto Esportivo do Sesc Pompeia, com uma maquete do projeto e seu plano de execução.


Com o espectro de trabalho de Roberval, envolvendo escultura, marcenaria, fundição e ferramentais diversos, a realização da exposição no espaço das Oficinas de Criatividade oferece um efeito educativo ao público matriculado nos cursos, bem como aos transeuntes daquele espaço.
"A exposição pretende, ainda, despertar no público o interesse em ingressar em um dos vários cursos oferecidos pela unidade, como marcenaria, técnicas mistas, arte têxtil, gravura, fotografia, cerâmica, entre outras", complementa Alcimar Frazão, Supervisor no Núcleo de Artes Visuais do Sesc Pompeia.


Layus possui uma vasta produção intimamente ligada à matéria da madeira, do bronze e da cenografia. Passou por cursos livres de modelagem, desenho e escultura em cerâmica até descobrir a fundição, que o levou a trabalhar muitos anos em galerias produzindo múltiplos em metal.
Ainda na época em que Lina Bo Bardi atuava no Sesc Pompeia, Roberval, que possui uma relação próxima com a unidade, tornou-se cenotécnico e monitor na Oficina de Marcenaria. O artista produziu ainda, diversos trabalhos para as unidades do Sesc, como as exposições "Entreato para crianças" e "Flávio Império" e atuou, também como cenotécnico junto a Bienal de São Paulo, no MAM-SP e em outros museus e centros culturais brasileiros. 



SERVIÇO
"Entre Artes - Modos de Olhar do Escultor e Cenotécnico Roberval Layus"
De 14 de outubro de 2015 a 31 de janeiro de 2016
Oficinas de Criatividade
Terça a sexta, das 10h às 22h
Sábado, domingo e feriados, das 10h às 16h

Classificação indicativa: Livre
SESC Pompeia - Rua Clélia, 93.
Não temos estacionamento. Para informações sobre outras programações, acesse o portal sescsp.org.br/pompeia