segunda-feira, 30 de novembro de 2009


CCBB RIO ANUNCIA PEÇAS FINALISTAS DO CONCURSO DE DRAMATURGIA SELEÇÃO BRASIL EM CENA

 
São 12 peças, 4 diretores, dezenas de atores e um grande público. Vai começar o ciclo de leituras do projeto Seleção Brasil em Cena 2009.
Na manhã do dia 23 de novembro, o júri formado por Sérgio Coelho, Sérgio Fonta, João Coelho e Marcos Henrique Rego anunciou as 12 peças finalistas do ano.
 
Durante as tardes de 5 a 20 de dezembro, os cariocas poderão assistir e votar na sua peça preferida. A peça eleita por votação popular estréia em março de 2010 no CCBB.
 
Em seu quarto ano consecutivo, o Centro Cultural Banco do Brasil, por meio do projeto Seleção Brasil em Cena, fomenta a literatura dramática e incentiva a inserção de atores no mercado. Os atores que formam os elencos das 12 peças finalistas do concurso são oriundos das mais diversas escolas de teatro do Rio de Janeiro, como Nós do Morro, Cal, Estácio de Sá, Tablado, UniverCidade e Afroreggae. Eles terão a oportunidade de trabalhar com consagrados diretores, como Moacir Chaves, Ivan Sugahara Gilbero Gawronski e o prestigiado Paulo de Moraes do Teatro Armazém que estréia na função substituindo Stella Miranda. "Estou super empolgado com o Seleção Brasil em Cena, é um projeto muito bacana e uma grande iniciativa de descobrir novos textos e novos autores", diz Paulo de Moraes.
 
Este ano o concurso recebeu 162 textos de diversos estados do Brasil. Das doze peças finalistas, três serão premiadas com 5 mil, 3 mil e mil reais respectivamente. Mas entre os 12 finalistas, o mapeamento mostra a predominância de autores da região Sudeste. Três textos são de São Paulo, um de Brasília e seis do Rio de Janeiro. O primeiro lugar, escolhido por voto da platéia, ganha, além do dinheiro, a montagem da peça no ano seguinte. O diretor que dirige a leitura do texto vencedor tem a preferência para a encenação. Segundo o Júri, a quarta edição do projeto já aponta um avanço em termos de dramaturgia. "Houve uma melhora no nível dos textos em relação aos anos anteriores", ressalta Sérgio Fonta. O jurado João Coelho destaca o fato de três finalistas serem mulheres. "Além disso, percebemos que muitos dramaturgos são bem jovens, com menos de 30 anos". A surpresa foi a descoberta do cantor Sergio Ricardo que participou dos festivais de música nos anos 60. Ele é um dos finalistas com a peça "Bandeira de Retalhos" que retrata justamente a história da comunidade do Vidigal, local onde vive Sergio Ricardo.
As leituras dramatizadas do Seleção Brasil em Cena são gratuitas e acontecem no Teatro III do CCBB. O público deve apanhar senha com uma hora de antecedência.
 
PROGRAMAÇÃO DEZEMBRO DE 2009
 
 Sábado 05/12
17:00
Peça "Os maus dias" de Gustavo Paes Martins de Albuquerque (RJ)
Direção de Gilberto Gawronski
19:30
Peça "Girassóis Noturnos" de Francisco Malta (RJ)
Direção de Gilberto Gawronski
 
Domingo 06/12
17:00
Peça "E o mundo não se acabou" de Ricardo Rocha Aguieiras (SP)
Direção de Gilberto Gawronski
19:30
Peça "Ascensão e queda de uma potência" de Melissa Velasco Schleich (SP)
Direção de Ivan Sugahara
 
Sábado 12/12
17:00
Peça "A situação é absolutamente normal" de Ricardo Meirelles"(Macaé-RJ)
Direção de Ivan Sugahara
19:30
Peça "Amar e conversar" de Márcia Zanelatto (RJ)
Direção de Ivan Sugahara
 
Domingo 13/12
17:00
Peça "Prometeu Monológico – um acerto de contas" de Edvar Vasconcellos (RJ)
Direção de Paulo de Moraes
19:30
Peça "Amado Jorge" de Antônio Roberto Gerin (Brasília)
Direção de Paulo de Moraes
 
Sábado 19/12
17:00
Peça "Homem bomba" de Tarcísio Lara Puiati (RJ)
Direção de Paulo de Moraes
19:30
Peça "A minha sombra" de Gisele Werneck (SP)
Direção de Moacir Chaves
 
Domingo 20/12
17:00
Peça "Ainda falta muito pra acabar" de Marcos de Souza França Filho (RJ)
Direção de Moacir Chaves
19:30
Peça "Bandeira de retalhos" de Sérgio Ricardo (RJ)
Direção de Moacir Chaves
 
SERVIÇO:
 
Seleção Brasil em Cena 2009
Centro Cultural Banco do Brasil/Teatro III
Rua Primeiro de Março, 66, Centro
Tel. 3808-2020
Sábados e domingos às 17 e 19:30 horas
Entrada Franca – apanhar senha com uma hora de antecedência
Classificação Livre
Capacidade de Público: 100 lugares







sábado, 28 de novembro de 2009

CARLOS CLEMENTE CERRI

Carlos Clemente Cerri é Professor titular do CENA (Centro de Energia Nuclear  de Agricultura) na USP.

Na semana que antecede a Conferência da ONU sobre o Clima, em Copenhague, na Dinamarca, o Roda Viva discute o tema que já é considerado o maior desafio do meio ambiente no planeta: a mudança climática.

Aos países que estarão na COP-15 está colocado o desafio de discutir e assumir compromissos que vão ajudar no esforço global contra o aquecimento da terra.

Mudanças no uso da terra, com a agropecuária avançando sobre áreas originalmente cobertas por vegetação nativa, já se tornaram responsáveis pela maior parte das emissões de gases de efeito estufa no Brasil. As mudanças no uso da terra, incluindo o desmatamento, responderam por mais da metade da emissão de gases no Brasil em 2005.

Carlos Clemente Cerri é um pesquisador da relação entre agricultura, clima e meio ambiente e autor de um estudo pioneiro sobre o impacto climático provocado pelo desmatamento da agropecuária no Brasil.

Cerri coordenou cerca de 60 projetos científicos no Brasil e também no exterior nas áreas de agricultura e ciências ambientais e faz parte de vários comitês nacionais e internacionais, incluindo o IPCC - Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas.

Participam como convidados entrevistadores:
Marcelo Leite, colunista do jornal Folha de S. Paulo e do blog Ciência em Dia; Ederson Granetto, jornalista e apresentador da TV Univesp - Universidade Virtual do Estado de São Paulo; Herton Escobar, repórter de ciência e meio ambiente do jornal O Estado de S. Paulo e Helena Carrascosa, coordenadora de biodiversidade e recursos naturais da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo.
Twitters no estúdio: Paula Signorini, bióloga (twitter.com/paulabio); Carlos Hotta, pesquisador da Universidade de São Paulo (twitter.com/carloshotta) e Marisa Nascimento, estudante de jornalismo (twitter.com/marisa_mn).
Fotógrafo convidado: Milena Cristina Nallin, estudante de cinema (flickr.com/pratodeflores).

Apresentação: Heródoto Barbeiro


Transmissão ao vivo pela Internet a partir das 17:30.


O Roda Viva é apresentado às segundas a partir das 22h00.
Você pode assistir on-line acessando o site no horário do programa.
http://www2.tvcultura.com.br/rodaviva
 
Encaminhado por Nair Lúcia de Britto


Novo Windows 7: Seu computador mais simples e fácil. Conheça!

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Rafael Murió no Chile


Rafael Murió participará de evento internacional de Artes Plásticas

 

O pintor Rafael Murió foi, novamente, um dos selecionados para representar a cidade e o Estado de São Paulo durante o "XIV Circuito Internacional de Arte Brasileira – 2ª etapa", que acontecerá de 4 a 11 de dezembro, no Museu Pablo Neruda, em Santiago do Chile.

 

Promovida pelo Colege Arte de Belo Horizonte, a mostra é realizada duas vezes por ano e contará com cerca de 70 artistas e as mais diversas técnicas e estilos em pinturas em tela, aquarelas, desenhos, fotografias e esculturas, entre outros trabalhos. Considerado um dos mais importantes eventos culturais promovidos pelo Brasil no exterior, a exposição tem o apoio institucional do Ministério das Relações Exteriores e da Embaixada Brasileira no Chile.    

 

 

 

 

É PROIBIDO FUMAR

É PROIBIDO FUMAR

estréia dia 04 de dezembro.

É o segundo londa de Anna Muylaert.

 

Glória Pires e Paulo Miklos são os protagonistas do

filme.

 

 

Anna Muylaert (Durval Discos) lança no dia 04 de dezembro seu segundo longa-metragem É PROIBIDO FUMAR, que tem como protagonistas Glória Pires e Paulo Miklos. É PROIBIDO FUMAR é uma produção da Dezenove Som e Imagens e África Filmes, com roteiro da própria Anna Muylaert, fotografia de Jacob Solitrenick e música de André Abujamra.  

 

Perto de fazer 40 anos, Baby (Glória Pires) vive só no apartamento que herdou da mãe, dando aulas de violão para alunos desinteressados, disputando com as irmãs cacarecos herdados da família, e fumando um cigarro atrás do outro. Quando Max (Paulo Miklos), um músico que vive de tocar sambão em uma churrascaria, se muda para o apartamento vizinho, ela lembra que a vida pode ser mais interessante. Por ele, enfrentará uma luta desesperada contra o cigarro – antes de saber que ele não é, nem de longe, a maior ameaça à sua felicidade.

 

Em torno da dupla Max-Baby, move-se um elenco de talentos com participações pequenas e precisas. Nos papéis das duas irmãs de Baby, Marisa Orth, que contracena pela primeira vez com Glória Pires, e a atriz e diretora Dani Nefussi, que passou pelo Teatro da Vertigem e pelo CPC de Antunes Filho. A atriz e performer Alessandra Colassanti é Stellinha, ex-namorada de Max; e Antonio Edson, do Teatro Galpão, dá densidade a um personagem fundamental na trama: o porteiro Chico.

 

A ironia inteligente, a química do casal formado por Glória Pires e Paulo Miklos e uma trilha sonora que vai de Villa Lobos ao samba rock anos 60/70, se somam no novo filme da diretora Anna Muylaert, também diretora de Durval Discos (2002), filme premiado sete vezes em Gramado. Anna Muylaert  é co-roteirista da primeira temporada da minissérie Filhos do Carnaval (HBO) e do longa O Ano em que meus pais saíram de férias, de Cao Hamburger (2006).

 

As participações especiais ajudam a compor a crônica do universo em torno dos personagens. Antônio Abujamra, que faz o síndico do prédio onde Baby vive, contracena com o filho André e o neto José; Paulo Cesar Pereio faz ponta como o dono da churrascaria onde Max toca; Marcelo Mansfield e Etty Frazer têm micro-esquetes no elevador; a atriz e diretora de casting Paula Pretta vive a manicure que dá conselhos de beleza a Baby; Theo Werneck e o rapper Thogun surgem numa jam caseira comandada por Max; e Pitty e Lourenço Mutarelli protagonizam uma hilária sátira à visita imobiliária.

 

Encaminhado por Nair Lúcia de Britto 



A vida na frente do computador ficou mais simples: Chegou Windows 7! Clique e Conheça

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Funarte e Centro Cultural BNB realizam, em Brasília, mostra reunindo quatro artistas contemporâneos

 
FORTALEZA, 23.11.2009 – A Funarte-Brasília e o Centro Cultural Banco do Nordeste realizam, em conjunto, a exposição coletiva "Rosa dos Ventos", reunindo os artistas contemporâneos pernambucanos Amanda Melo, Jonathas de Andrade e Rodrigo Braga, e a cearense Waléria Américo, dentro do programa Arte em Fluxo.
Com curadoria de Bitu Cassundé, a exposição acontecerá na Galeria Fayga Ostrower, no Complexo Cultural da Funarte [Eixo Monumental – Setor de Divulgação Cultural – lote 02 – fone: (61) 3322.2029], em Brasília, com abertura nesta quarta-feira, 25, às 19 horas. Gratuita ao público, a mostra ficará em cartaz até 22 de janeiro de 2010.
 
Rosa dos Ventos: fluxo, trânsito e deslocamento
A exposição Rosa dos Ventos observa como as questões de fluxo, trânsito e deslocamento se localizam na "geografia poética" dos artistas Amanda Melo, Jonathas de Andrade, Rodrigo Braga e Waléria Américo. Rosa dos Ventos é um instrumento de orientação que se baseia nas quatro direções principais (N, S, L, O) e suas intermediárias.  Corresponde à volta completa do horizonte e surge da necessidade de se indicar uma direção.
A partir da apropriação do termo geográfico "Rosa dos Ventos", a exposição localiza o seu eixo, refletindo acerca das direções e horizontes tomados pelas poéticas dos artistas da mostra, nas quais o desejo, a solidão, a política e a paisagem se alimentam de um corpo que transita pela diversidade de mundos.
 
 
Rodrigo Braga apresenta um recorte da série Desejo Eremita – bolsa Funarte 2009, da sua experiência/residência numa cidade do interior do estado de Pernambuco chamada Solidão. A série de fotografia é resultado da vivência do artista no embate entre a natureza, a paisagem, o corpo e a experiência eremita da solidão.
Jonathas Andrade, com o Documento Latinamerica: Condução à Deriva – também bolsa Funarte 2009, desbrava fronteiras e paisagens pela América do Sul, percursos de um corpo político que registra fragmentos de memórias e afetos.
Amanda Melo elabora uma série de desenhos – Sal é Mar – a partir do mar, que se torna espaço de instabilidade para a paisagem registrada, num processo de pesquisa que demandou um longo percurso pelo litoral brasileiro.
Waléria Américo desenvolve uma investigação em que o corpo, a paisagem e a cidade são elementos propositivos para sua poética. Plano de fuga nº 1 é resultado de uma performance voltada à paisagem, na qual a artista fica suspensa com pernas-de-pau gigantes.  

 

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

PROGRAMAÇÃO DE CINEMA

ESPAÇO UNIBANCO MIRAMAR

Santos

 

Programação de 20 a 26/11/2009

 

ATENÇÃO:

 

ESTAMOS PARTICIPANDO DA SEMANA DO CINEMA BRASILEIRO DA ANCINE.

 

PORTANTO, EM TODOS OS FILME BRASILEIROS DE TODAS AS SALAS NA SEMANA DE 20 A 26 DE NOVEMBRO SERÁ COBRADO O SEGUINTE VALOR:

 

R$ 6,00 (inteira) e R$3,00 (meia).

 

CLUBE DO PROFESSOR

 

500 DIAS COM ELA

Direção: Marc Webb

Comédia, 2009, 95 min, 12 anos

Distribuição: Fox

Data: 21/11/2009

Horário: 11h

Sala 1

Gratuito para professores

 

 

SESSÃO POPULAR

 

500 DIAS COM ELA

Direção: Marc Webb

Comédia, 2009, 95 min, 12 anos

Distribuição: Fox

Data: 20 a 26/11

Horário: 14h

Sala 3

Ingresso Promocional: R$ 5,00

 

 

Sala 1                   LUA NOVA (The Twilight Saga: New Moon) - ESTREIA

CÓPIA LEGENDADA

14h – 16h30 – 19h – 21h40

Direção: Chris Weitz

EUA - 2009 – 135 min. - 10 anos

Gênero: Romance

Distribuição: Paris filmes

Elenco: Robert Pattinson, Kristen Stewart e Taylor Lautner

Sinopse: Depois de se recuperar do ataque de vampiros que quase a matou, Bella Swan decide celebrar seu aniversário com a família Cullen. Entretanto, um pequeno acidente durante as festividades, faz com que ela sangre, fato que se prova intenso demais para os vampiros, que decidem deixar a cidade para o bem dela. Inicialmente de coração partido, Bella encontra conforto em uma vida despreocupada, mas diversos perigos a aguardam.

 

Sala 2                   NOVIDADES NO AMOR (The Rebound)

14h10 – 16h20 – 19h20 – 21h30

Direção: Bart Freundlich

EUA - 2009 – 96 min. - 14 anos

Gênero: Comédia Romântica

Distribuição: Imagem filmes

 

CURTA PETROBRAS ÀS SEIS – PROGRAMA INOCÊNCIA

                            De 20/11 a 08/12 EXCEPCIONALMENTE às 18h20

 

TORI

Direção: Andréa Midori Simão e Quelany Vicente

SP – 2006 – 16 min – Fic – cor

 

ILHA DO RATO

Direção: Bernard Attal e Joselito Crispim

BA – 2005 – 18 min – Ficcor/p&b

           

PIRUETAS

Direção: Haroldo Borges

BA – 2007 – 14 min – Fic – cor

 

PASSO

Direção: Alê Abreu

SP – 2007 – 4 min – Animação – cor

 

Sala 3                   500 DIAS COM ELA (500 Days of Summer)

14h – 16h – 22h

Dia 25/11 (quarta-feira) não haverá a sessão das 14h

Direção: Marc Webb

EUA - 2009 – 95 min - 12 anos

Gênero: Comédia

Distribuição: Fox Films

 

TRIBUNA DOCUMENTA

VALDICK, SEMPRE NO MEU CORAÇÃO

EXIBIÇÃO DIGITAL

18h

Direção: Patrícia Pillar

Brasil – 2008 - 58 min. - Livre

Gênero: Documentário

Distribuição: Pequena Central

 

HOTEL ATLÂNTICO

EXIBIÇÃO DIGITAL

20h

Dia 25/11 (quarta-feira) não haverá a sessão das 14h

Direção: Suzana Amaral

Brasil – 2009 – 107 min. – 14 anos

Gênero: Drama

Distribuidora: Espaço Filmes

 

                            SESSÃO CINE MATERNA: Dia 25/11 (quarta-feira) às 14h

                            UM NAMORADO PARA MINHA ESPOSA

EXIBIÇÃO DIGITAL

Direção: Juan Taratuto

Argentina – 2008 – 100 min. – 14 anos

Gênero: Comédia

Distribuidora: Paris Filmes

 

Encaminhado por Nair Lúcia de Britto



Novo Windows 7. Você vai achar que nasceu sabendo! Clique e conheça.

O AMBIENTALISTA LESTER BROWN NO RODA VIVA


 

* Edição GRAVADA. Não aceita perguntas.
Lester Brown
Ambientalista

De 7 a 18 de dezembro será realizada a 15 ª Conferência das Partes, da ONU, em Copenhagen, na Dinamarca. O encontro pretende conseguir um novo tratado para substituir o Protocolo de Kyoto, que vale até 2012.

A COP - 15 vai colocar frente a frente, mais uma vez, países desenvolvidos e em desenvolvimento, nações que têm a difícil tarefa de discutir sobre quem deve se responsabilizar e se esforçar mais para combater as mudanças no clima.

A crise econômica, ambiental e social que o mundo registra hoje deve ser enfrentada, de acordo com Lester Brown, com o olho mais no futuro e com a mentalidade de que não é possível pensar em salvar a economia sem salvar o planeta.

Ele defende mudanças nos sistemas de tributação e cobrança de impostos mais pesados sobre atividades que destroem os recursos naturais.

O ambientalista Lester Brown é fundador do Instituto Worldwatch e fundador e atual presidente do Earth Policy Institute.

Apresentação: Laila Dawa

Participam como convidados entrevistadores:
Washington Novaes, jornalista e supervisor do quadro biodiversidade do programa Repórter Eco da TV Cultura; Ricardo Voltolini, publisher da revista Ideia Socioambiental; José Eli da Veiga, professor de desenvolvimento sustentável da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP e Martha San Juan França, repórter de sustentabilidade do jornal Brasil Econômico.
Twitters no estúdio: Maira Begalli, gestora ambiental (twitter.com/mabegalli); Amanda Wanderlei, bióloga (twitter.com/amandawy) e Haydée Svab, estudante de engenharia civil da Poli/USP (twitter.com/hsvab).
Fotógrafo convidado: Samuel Swiobitti Alexandre, webdesigner (http://flickr.com/xsammysx).

Apresentação: Laila Dawa

O Roda Viva é apresentado às segundas a partir das 22h00.
Você pode assistir on-line acessando o site no horário do programa.
http://www2.tvcultura.com.br/rodaviva

Encaminhado por Nair Lúcia de Britto


A vida na frente do computador ficou mais simples: Chegou Windows 7! Clique e Conheça

sábado, 14 de novembro de 2009

Semana da Consciência Negra: TV Cultura celebra a data em vários programas

Zulu Araújo, presidente da Fundação Cultural Palmares, no Roda Viva; Kiesse Mangaka, no Provocações; reportagem sobre o Orgulho Negro, no Manos e Minas; a obra de Wole Soyinka, no Entrelinhas, são algumas das atrações

 

 

Com uma programação especial, que vai de 16 a 22 de novembro, a TV Cultura faz uma homenagem ao Dia da Consciência Negra, comemorada em 20 de novembro. Nessa data, no ano de 1695, foi assassinado o símbolo máximo da resistência negra no Brasil, Zumbi do Palmares.

 

No centro do Roda Viva, nesta segunda-feira, 16, estará o presidente da Fundação Cultural Palmares/MinC, Edvaldo Mendes Araújo, conhecido como Zulu Araújo. Ele se dedica à cultura negra desde a sua juventude. Entre 1989 e 1994, atuou como diretor de Cultura do Grupo Cultural Olodum; de 1995 a 1997, como assessor cultural do Grupo Cultural Male de Balê. No ano de 2003, foi nomeado pelo então ministro da Cultura, Gilberto Gil, a Diretoria de Promoção, Estudos, Pesquisas e Divulgação da Cultura Afro-Brasileira, da Fundação Cultural Palmares. Hoje é presidente da Fundação Cultural Palmares.

 

Na faixa Especial Cultura será exibido Afro Trota, uma produção independente de Evaldo de Brito e Silvia Sausto. O filme é uma ficção com espírito de documentário científico. Trata-se da viagem de um afro-brasileiro para a Alemanha, que investiga, antropologicamente, a história do homem negro no país europeu. O programa será exibido na quinta-feira, dia 19. Outro destaque da semana especial é a exibição de Negros, de Mônica Simões, no Doc TV IV. O documentário, que vai ao ar na sexta, 20, relata a construção da imagem do negro na Bahia, a partir dos anos 1920 até o ano 2000.

 

Ainda na sexta, 20, Antonio Abujamra entrevista, no Provocações, Kiesse Mangaka, estudante de relações internacionais e diretor de programas da televisão pública de Angola. No sábado, 21, Manos e Minas, ao embalo do samba rock da banda Samba Sonic, exibe a reportagem Orgulho Negro. São diversos depoimentos, entre eles o do advogado, sociólogo, mestre em administração e reitor da Universidade Zumbi dos Palmares, José Vicente.

 

E fechando o especial, no domingo, 22, Allan da Rosa – poeta, arte-educador e editor – comenta, no Entrelinhas, a obra de Wole Soyinka. O poeta e dramaturgo nigeriano foi o primeiro escritor africano a ganhar o prêmio Nobel de literatura, em 1986.

 

 

Vinte de novembro é o dia da Consciência Negra.  Ainda não virou feriado nacional, mas cerca de 300 municípios brasileiros já comemoram esse dia, segundo a Seppir – Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial.

 

Serviço:

Semana da Consciência Negra na TV Cultura

Roda Viva

Zulu Araújo - presidente da Fundação Cultural Palmares/MinC,

Segunda-feira, 16, às 22h

 

Especial Cultura

Afro Trota, de Evaldo de Brito e Silvia Sausto

Quinta-feira, 19, às 23h

 

Doc TV IV

Negros, de Mônica Simões

Sexta-feira, 20, às 22h30

 

Provocações

Kiesse Mangaka

Sexta-feira, 20, às 22h

 

Manos e Minas

Orgulho Negro

Sábado, 21, às 18h

 

Entrelinhas

Allan da Rosa comenta a obra de Wole Soyinka

Domingo, 22, às 21h30

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

ZULU ARAÚJO NO RODA VIVA

 
 Zulu Araújo, presidente
 da Fundação Cultural Palmares, estará no
 RODA VIVA, na próxima sexta-feira,
 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra. 

O Brasil escolheu essa data para lembrar Zumbi, líder do Quilombo de Palmares, símbolo da resistência negra do país.

Durante todo esse mês a data será lembrada em diversos eventos que irão celebrar a memória histórica do movimento, da presença e da inserção do negro na vida brasileira.

Dedicado à cultura negra desde a juventude, Zulu Araújo foi produtor de eventos culturais em Salvador nos anos 80 e 90 e assessor especial da secretaria de Cultura da Bahia. Em 2007, Zulu assumiu a presidência da Fundação Cultural Palmares, onde já trabalhava como diretor desde 2003.

Vinculada ao Ministério da Cultura, a Fundação Cultural Palmares foi criada em 1988, para implementar políticas públicas destinadas a aumentar a participação da população negra brasileira no processo de desenvolvimento do país.

Participam como convidados entrevistadores:
Mônica Manir, editora do caderno Aliás do jornal O Estado de S. Paulo; Ivan Martins, editor executivo da revista Época; Maurício Pestana, publicitário, cartunista e presidente do conselho editorial da revista Raça Brasil e Paulo Lins, escritor e roteirista.
Twitters no estúdio: Julio Moraes, jornalista, (twitter.com/juliomoraes); Jésica Lima, analista de mídias sociais (twitter.com/jerblima) e Ian Black, especialista em comunicação digital (twitter.com/ianblack).
Fotógrafo convidado: Letícia Lovo, fotógrafa (www.flickr.com/photos/leticialovo).

Apresentação: Heródoto Barbeiro


Transmissão ao vivo pela Internet a partir das 17:30.


O Roda Viva é apresentado às segundas a partir das 22h10.
Você pode assistir on-line acessando o site no horário do programa.
http://www2.tvcultura.com.br/rodaviva
 
ENCAMINHADO POR NAIR LÚCIA DE BRITTO
 


Novo Windows 7. Você vai achar que nasceu sabendo! Clique e conheça.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

CAIXA CULTURAL SÃO PAULO APRESENTA A EXPOSIÇÃO DOIDA DISCIPLINA

Cores vibrantes retratam a essência da pintura da artista plástica contemporânea Gabriela Machado, com a curadoria de Ronaldo Brito

A CAIXA Cultural São Paulo (Sé) inaugura, no dia 28 de novembro, a exposição Doida Disciplina, da artista plástica contemporânea Gabriela Machado. Com curadoria e texto do crítico Ronaldo Brito, a mostra apresenta três pinturas de tamanho grande (2,10 x 1,90m) e dez desenhos de formatos variados (pequenos, 56 x 76cm e grandes, 152 x 100cm) da série Jacas, frutos de pesquisas realizadas nos últimos dois anos, com estudos de cores e do contato com a natureza.

Cascas de frutas espalhadas pelo chão, só como pretexto; frutos e folhas secas elegantemente distribuídas pelo ateliê; objetos simples e acumulados; estruturas de pano que descem lânguidas do teto, feitas pela artista para servirem de lembrete da sensualidade do movimento; o dia-a-dia vivido com extremo prazer, dentro de quatro paredes, invadidas pela claridade do sol.

No lugar da casa, o casulo, o envolvimento com a atmosfera do seu espaço de criação. É dele que brotam os impulsos que vão para as telas. Seu transe é induzido pelas coisas simples. Essas são frases que tentam descrever o cenário e a intensidade da mostra.

Sobre a artista:

Gabriela convive com as cores, por horas. Como fazia ainda criança, numa fazenda centenária de café, onde cresceu, cercada pelas pinturas murais do espanhol José Maria Villaronga que adornavam as paredes de estilo colonial.

Ao preparar suas tintas, as cores são introjetadas e, neste ritual, o pensamento cartesiano é suspenso - começa um outro pensar. Tudo é livre neste gesto - desprendimento e disponibilidade ao acaso advindos da constância e disciplina.

Em março deste ano, seu trabalho foi adquirido para o acervo do Espaço Cultural Contemporâneo- ECCO, por meio do Prêmio Funarte de Artes Plásticas Marcos Antonio Vilaça. Em 2008, a artista inaugurou a sua primeira exposição individual em Lisboa, na galeria 3+1 Arte Contemporânea, e lançou o livro "Gabriela Machado" pela editora espanhola Dardo. Neste mesmo ano, participou da ARCO, em Madri, na qual o Brasil foi o país homenageado.

As cores pulsam na tela, a pintura vibra.

"Em vários sentidos as pinturas e os desenhos de Gabriela Machado procuram atualizar, num mundo muito diferente, essa lógica espontânea e esse rigoroso frescor. Só valem aqui as cores que acabam de se descobrir como tais e que respondem de imediato a uma sensação vital e corpórea: do mesmo modo, feitas todas as mediações, também essas obras buscam renovar, à sua maneira, o contato com a natureza", observa Ronaldo Brito, crítico e professor de História da Arte na PUC-RJ, cuja obra recentemente foi reunida na coletânea Experiência Crítica (Editora CosacNaify). Autor do texto de apresentação do catálogo, Brito acompanha a trajetória da artista de perto. "Quando conheci esta série de pinturas tive sorte: vi o trabalho no exato momento em que estava emergindo. A grande transformação aqui é a descoberta da cor. Gabriela pensa e sente através da cor", observa ele.

Presente em grandes coleções brasileiras, como as de José Mindlin, Fundação Castro Maya, Gilberto Chateaubriand e Alexandre Martins Fontes, a obra de Gabriela Machado alcança gradualmente novos espaços fora do país. A Neuhoff Gallery, que inseriu o trabalho da artista em duas coletivas – uma delas, The Gesture, com conceituados pintores americanos como Frank Stella e Franz Kline – e realizou uma individual em 2002, também levou sua produção para feiras internacionais como as de Colônia (Alemanha) e Chicago (EUA).

SERVIÇO:

Exposição: Doida Disciplina, de Gabriela Machado

Local: Caixa Cultural São Paulo (Sé) - Galeria Florisbela e Espaço Octogonal - Praça da Sé, 111, Centro – São Paulo (SP)

Abertura: 28 de novembro de 2009, sábado, 11h (aberto para o público)

Datas para visitação: 28 de novembro de 2009 a 17 de janeiro de 2010

Horários: Terça-feira a domingo, das 9h às 21h

Entrada: franca 

Recomendação etária: livre

Visitas monitoradas para grupos, agendamento e informações: (11) 3321-4400


"A TERRÍVEL VOZ DE SATÃ" EM TEMPORADA NO SESC POMPEIA

Dia 14 de novembro começa a temporada do espetáculo "A Terrível Voz de Satã", com texto do autor inglês inédito no Brasil, Gregory Motton. Quinto espetáculo encenado pela Cia. Club Noir, a obra, que tem tradução e direção de Roberto Alvim, recentemente premiado com o Prêmio Bravo! De Cultura no quesito Teatro, estará em cartaz no Galpão da Unidade aos sábados (às 21h30) e domingos (às 18h30), até o dia 13 de dezembro.
 
O espetáculo "A Terrível Voz de Satã" aborda o complexo e delicado tema da religião, com o embate entre Deus e seu "opositor": o Demônio. A narrativa que conduz a história é repleta de ausências de tempo e espaço que se mesclam às metáforas da vida de Tom Doheny – marinheiro irlandês que personifica, em sua trajetória, todos os homens que caminharam e caminham sobre a Terra.
 
Considerada por muitos críticos europeus como a obra-prima de Gregory Motton, a peça foi escrita em 1993 e seu texto trafega em uma lógica de sonho, sem linearidade ou causalidade aparente. Em um habitar poético no mundo, distinto da vivência cotidiana, o pobre marinheiro Tom Doheny, que segue em uma jornada onírica, defrontando-se com personagens fantásticos, como um Pássaro Mágico, o Imperador do Reino Sob as Águas e o estranho Homem-Seco.
 
Tom Doheny conduz sua viagem transitando de modo poético por uma série de instâncias da condição humana, revelando metaforicamente a visão de Gregory Motton sobre a existência. O elenco traz Juliana Galdino, Léia Nogueira e Rodrigo Pavon, sob direção do ganhador Roberto Alvim.
 
FICHA TéCNICA:
Texto: GREGORY MOTTON
Direção e Tradução: ROBERTO ALVIM
Com Juliana GaldINO, léia nogueira e rodrigo pavon
Iluminação, Cenário e Trilha Sonora: ROBERTO ALVIM
Figurinos e Adereços: GÊ VIANA
Produção Executiva: DANIELLE CABRAL
Assistente de Direção: ANA LESSA
Fotografia (Divulgação): JULIETA BACCHIN
Produção: CLUB NOIR
 
Sobre o autor Gregory Motton:
 
Gregory Motton nasceu em Londres, em 1961, e é reconhecidamente uma das vozes mais originais da dramaturgia contemporânea internacional. Inédito no Brasil, o autor escreveu e encenou mais de 20 peças até o momento, além de traduzir para o inglês grande parte das obras do norueguês Jon Fosse e do sueco August Strindberg. Sua dramaturgia, extremamente inventiva, livre de amarras e criadora de novos paradigmas, se coloca como um desafio – e um convite – para artistas e público, ao se opor frontalmente ao senso comum e a qualquer forma de conservadorismo cultural.
 
 
Serviço: SESC POMPEIA APRESENTA "A TERRÍVEL VOZ DE SATÃ"
Rua Clélia, 93
De 14 de novembro a 13 de dezembro de 2009. Sábados, às 21h30, e Domingos, às 18h30.
Galpão – Classificação indicativa: 18 anos.
Ingressos: R$ 4,00 a R$ 16,00
Lotação: 70 lugares
Duração: 50 minutos
Telefone para informações: (11) 3871-7700
 
Acesso para deficientes – não temos estacionamento
Para informações sobre outras programações ligue 0800-118220 ou acesse o portal
www.sescsp.org.br.
 
Funcionamento da bilheteria do SESC Pompeia – de terça a sábado, das 9h às 21h e aos domingos, das 9h às 20h. Aceitam-se cheque, cartões de crédito (Visa, Mastercard, Diners Club International e American Express) e débito (Visa Electron, Mastercard Electronic, Maestro, Redeshop e Cheque Eletrônico). Ingressos podem ser adquiridos em todas as unidades do SESC, incluindo CineSESC.
 

Grupo Ponto de Partida estréia em São Paulo - "O Círculo do Ouro" - Teatro Sesc Vila Mariana - 13, 14 e 15 de novembro













Às vésperas de completar 30 anos, grupo apresenta texto inédito que narra o "século de ouro" das Minas Gerais, reafirmando seu compromisso com a palavra e a literatura.




Único final de semana: dias  13, 14 e 15 de novembro

no Teatro do SESC Vila Mariana




Após o sucesso de "Ser Minas tão Gerais" e "Pra Nhá Terra", o grupo Ponto de Partida estreia "O Círculo do Ouro", com seus 14 atores e realização do SESC SP. O espetáculo foca o olhar em um dos momentos mais determinantes da história de Minas Gerais e do país, quando as minas são descobertas e o ouro atrai para o sertão o maior contingente de habitantes jamais visto na colônia: nessa época, Villa Rica era mais populosa que Nova York. Seguindo os processos muito particulares do Ponto de Partida na montagem de um novo espetáculo, os personagens e o texto foram criados pelos atores a partir da pesquisa. A história e a dramaturgia são da diretora do grupo, Regina Bertola.




O texto traz a saga dessa gente vigiada, cercada por impostos absurdos e delações, afinal, o volume de ouro retirado das minas era tamanho que foi suficiente para contribuir significativamente com o financiamento da Revolução Industrial, na Inglaterra, e transformar o mundo para sempre*. Apesar disso, essa gente vivia em condições miseráveis, na luta permanente para sobreviver, se inventar, se nomear. Como essa herança nos determina hoje e como ela amalgamou tantos elementos na construção da nossa forma de ver e estar no mundo e na criação de nossos artistas contemporâneos é o mote da peça, com apresentações nos dias 13, 14 e 15 de novembro no Teatro do SESC Vila Mariana.



Toda essa história é contada do ponto de vista do povo e não se desenrola atada a nenhum compromisso didático. É puro teatro: lúdico e poético, que quer deixar aflorar os traços que nos determinam brasileiros, mas também  as questões que nos instigam como seres humanos: o amor, a liberdade, o medo, a solidariedade, a sobrevivência,  a paixão, a ousadia, a coragem, a loucura, a identidade.

Nesses 29 anos de trabalho, com mais de 30 espetáculos produzidos, o Ponto de Partida orgulha-se de ter pesquisado e criado uma dramaturgia que coloca o homem brasileiro no centro do palco, no papel principal. Tem incorporados à sua bagagem textos de sua autoria, como Viva o Povo Brasileiro ou Beco – a ópera do lixo, montagens de grandes autores brasileiros, como Guimarães Rosa, Carlos Drummond de Andrade, Manoel de Barros, Jorge Amado, Adélia Prado, Bartolomeu Campos de Queirós e a obra de compositores como Milton Nascimento, Chico Buarque, Pablo Bertola.  E, apesar  de fortemente ligado às suas raízes culturais, em momento algum o grupo se fecha num regionalismo  estreito, haja visto a sua carreira internacional com vários espetáculos premiados fora do país.




*fonte: KOSHIBA, Luiz – História do Brasil. São Paulo, Ed. Atual, 1993.







O TEXTO




Além do desafio imenso de inventar um espetáculo tendo como suporte mais de um século de História, o aspecto mais instigante e inovador do "O Círculo do Ouro" é que essa história é contada a partir da fala do povo e do universo de escritores mineiros contemporâneos. Então, os personagens do século XVIII, em sua maioria mestiços, falam também Adélia Prado, Drummond e Guimarães Rosa. E o mais emocionante é como isso se concilia, com que propriedade o texto toma forma e como é quase mágico perceber como as palavras empregadas em outros textos e contextos, se entregam com gosto a essa nova  história. Também se incorporam ao texto documentos oficiais, cartas régias, decretos, "bandos", cartas de viajantes que determinam o tempo histórico e mostram a relação da Coroa e do poder com a gente das Minas.



Apesar de "O Círculo do Ouro" estar contextualizado num tempo histórico ele é uma ficção, um texto dramático.







DA ENCENAÇÃO




A encenação reforça a linguagem estética do Ponto de Partida que constrói os espetáculos a partir do ator e de um elemento físico que perpassa todo o espetáculo configurando o espaço e o jogo teatral, que se dá em cena, compactuado com a plateia.



O barroco é um espaço em movimento e é isso que o grupo busca criar no espetáculo. São usados sacos de farinha enchidos com os mais diversos elementos, que instauram permanentemente os espaços cênicos para atender às  necessidades dramática e estética da encenação. Também são configurados os caminhos de Minas tortuosos, articulados em desvãos.



Como a encenação tem um ritmo muito forte e se configura quase como um roteiro cinematográfico, a luz foi inventada para iluminar essa cena em movimento. Além de ser muitas vezes cenográfica, ainda reforça em alguns momentos a estética barroca do claro escuro, que procura a dramaticidade conquistada pela luz.



Os figurinos carregam as cores de Mestre Athayde e pintam a cena em nuances barrocas. O público se identifica com o espetáculo e completa a encenação confirmando esse mistério insondável que, algumas vezes, acontece: quando os atores e público são a mesma trupe, cúmplices, deleitando-se com uma história que os diverte, os comove e os particulariza.






DA PESQUISA




O Círculo do Ouro foi construído a partir de três anos de pesquisa com a assessoria de especialistas dos diversos aspectos que ele aborda, com muitas leituras técnicas e literárias, com consultas a documentos do Arquivo Mineiro, com várias visitas às cidades históricas, ora sozinhos, ora acompanhados de historiadores e artistas plásticos, com estudos minuciosos da linguagem e da música do século XVIII.



Todo o conhecimento que esse espetáculo exigiu, deu a segurança e a liberdade necessárias para o grupo fugir a qualquer pretensão de precisão histórica ou isenção científica e buscar permanentemente o tom dramático, a solução teatral, os caminhos arriscados e tentadores da criação.










DA MÚSICA




A pesquisa foi feita pelo Ponto de Partida, sob coordenação de Pablo Bertola. Remonta aos compositores barrocos mineiros, ao canto dos negros: os vissungos, os cantos religiosos, os cantos de festas como o lundu e os batuques e a música que começou a ser produzida para movimentar a incipiente vida social urbana, como as modinhas. Também se aprendeu a dançar a umbigada e a contra dança, o moçambique e o samba de roda.



Como a proposta do espetáculo é mostrar como esse período influenciou na produção artística contemporânea, também incorporam-se à trilha músicas de compositores mineiros de várias gerações como Ary Barroso,  João Bosco, Nivaldo Ornelas, Fernando Brant, Milton Nascimento e Sérgio Santos. É difícil identificar, em alguns momentos, onde eles se separam dos compositores populares do século XVIII ou do canto dos escravos. Também estão em cena músicas compostas especialmente para o espetáculo por Gilvan de Oliveira e Pablo Bertola, que também assinam a direção musical.



Os atores se exercitaram para dominar toda essa gama de canções e, quando a trilha se configurou, a  sonoridade de "O Círculo do Ouro" se confirmou muito particular. A música é tocada em cena por atores/músicos e ao vivo pelo pianista Felipe Moreira.



Enfim, o que se buscou incessantemente no espetáculo foi realizar o nunca havido, com todos os riscos que isso acarreta.






FICHA TÉCNICA - Texto: Ponto de Partida / Linguagem: pesquisada da fala popular, de documentos oficiais e do universo de Adélia Prado, Drummond e Guimarães Rosa / Dramaturgia e direção geral: Regina Bertola / Assistente de direção: João Melo / Pesquisa histórica: Ponto de Partida e Casa de Arte&Ofício / Pesquisa musical e trilha sonora: Pablo Bertola e Ponto de Partida / Direção musical e arranjos: Gilvan de Oliveira e Pablo Bertola / Músicas originais:  Gilvan de Oliveira, Pablo Bertola e Lido Loschi / Voz em off: especialmente gravada para o espetáculo por Milton Nascimento / Preparação vocal: Babaya / Coreografia: João Melo / Assessoria coreográfica – lundu e congada: Kátia Cupertino / Preparação corporal: Paulo Trajano / Iluminação: Jorginho de Carvalho / Assistente de iluminação e operação de luz: Rony Rodrigues / Cenário: Alexandre Rousset, Tereza Bruzzi e Ponto de Partida / Assistentes de cenário: João Melo, Lido Loschi e Lourdes Araújo / Figurino: Alexandre Rousset e Tereza Bruzzi / Assistente de figurino e tintura dos tecidos: Beth Carvalho / Confecção de figurinos: Vera Viol / Confecção de adereços: Renata Cabrall e Ponto de Partida / Criação gráfica: Gutt Chartoni / Fotos: Kika Antunes, Rodrigo Dai e  Tião Rocha / Assessoria técnica: Tião Rocha – historiador, antropólogo e folclorista / Consultoria: Geraldo Barroso – médico dermatologista, pesquisador da doença e da vida de Aleijadinho - Terezinha Maria Scher – professora, doutora em literatura com especialização em literatura do séc XVIII - Caio Boschi – Historiador e pesquisador, especializado em História Colonial Mineira - Andréa Lisly – Historiadora / Assessoria de Imprensa: Quatro Elementos Comunicação e Mkt. Produção: Ponto de Partida / Realização: SESC SP



ELENCO: Ana Alice Souza: Eulália, Joaninha e Otília / Carolina Damasceno: Eufrásia e Madalena / Dani Costa: Doralva e escrava Clementina / Érica Elke: Fulô e "rata" / Felipe Saleme: Jirico, primo Auguste, "rato", escravo / João Melo: Cônego Vieira, Juju, feitor, "rato" / Júlia Medeiros: Narcisa e Dorvalina / Leandro Aguiar: Zeca e escravo / Lido Loschi: Querubino, "rato", escravo / Pablo Bertola: Zuza, Rei e escravo / Renato Neves: Anacleto / Ronaldo Pereira: Quinca, Capiroto e escravo / Soraia Moraes: Dona Rainha




MÚSICOS: Felipe Moreira: Piano e teclado / Leandro Aguiar: Violão, flauta doce e tambores / Pablo Bertola: Violão, flauta doce, tambores, agogô e pandeiro / Felipe Saleme, João Melo e Leandro Aguiar: Atabaques






PONTO DE PARTIDA



O Ponto de Partida é um dos grupos teatrais mais cultuados do país. Foi fundado em 1980, em Barbacena, por artistas que decidiram que não deixariam a cidade, mas também não aceitariam os limites da província. Assim, tornou-se uma companhia de repertório, itinerante, independente, com 21 profissionais em exercício permanente, 30 espetáculos montados, com apresentações pelo Brasil, África, Europa e América do Sul.

Nestes anos conviveu ou trabalhou com figuras referenciais da cultura brasileira como Milton Nascimento, Fernanda Montenegro, Sérgio Britto, Paulo Gracindo, Jorge Amado, Manoel de Barros, Álvaro Apocalypse, Maestro Ademarzinho, Adélia Prado, Bartolomeu Campos Queirós e com meninos, operários, policiais, anônimos que marcaram sua trajetória.

Experimentou vivências inesquecíveis em suas viagens. A Angola, em plena revolução. Em Paris,  onde representou o Brasil nos 50 anos da Unesco e apresentou-se, anos depois, no Théâtre des Champs-Élysées, com os Meninos de Araçuaí e Milton Nascimento. Nas temporadas em Montevidéu, onde conviveu com o lendário diretor do El Galpon, Atahualpa del Cioppo. Em suas andanças pelo interior de Portugal, apresentando em antigos claustros, ruínas de castelos, teatros centenários, ou em dezenas de espaços por todo o Brasil.

SERVIÇO:




O Círculo do Ouro – Grupo Ponto de Partida




13, 14 e 15 de novembro




Sex e sab, às 21h. dom às 18h.




Teatro SESC Vila Mariana




Ingressos à venda em todas as unidades SESC

R$ 20,00 (inteira); R$ 10,00 (usuário inscrito no SESC, +60 anos, estudante e professor da rede pública de ensino); R$ 5,00 (trabalhador no comércio de bens e serviços matriculado no SESC)




Lotação: 608 lugares




Acesso para pessoas com deficiência




Não recomendado para menores de 12 anos




Duração: 150 minutos com intervalo




Informações e vendas: 11 5080-3000 www.grupopontodepartida.com.br www.sescsp.org.br




Estacionamento: a partir de R$ 5,00




SESC Vila Mariana

Rua Pelotas, 141

Informações: 11 5080-3000