segunda-feira, 30 de março de 2009

INSTITUTO CERVANTES INAUGURA EXPOSIÇÃO E MOSTRA DE DOCUMENTÁRIOS SOBRE 70 ANOS DA Guerra Civil Espanhola

 

 
INSTITUTO CERVANTES INAUGURA

EXPOSIÇÃO E  CICLO SOBRE 70 ANOS DA Guerra Civil Espanhola

De 02/04 a 23/04

 

O evento traz ainda um colóquio com vários estudiosos sobre temas relacionados a Guerra Civil 

E no encerramento, dia 23  de abril, Dia Mundial do Livro, os escritores Marcelino Freire, Alice Ruiz, Edvaldo Santana, Nicolas Behr, Daniel Michoni (Brasil), Alan Mills,  Julio Serrano (Guatemala), Alejandro Méndez e Nurit Kasztelán (Argentina), Diego Ramírez e Héctor Hernandez (Chile), Rocío Cerón Daniel Saldaña París e Yaxkin Melchy (México) participam da leitura poética Poesia e Guerra Civil: diálogos e intervenções

 

Para comemorar os 70 anos do fim do confronto que ocorreu no dia 1º de abril de 1939, o Instituto Cervantes apresenta no período entre 02 e 23 de abril, a exposição Cartazes da Guerra Civil Espanhola, com 95 belos e sugestivos cartazes originais dos republicanos, com dimensões que variam entre 56cmX49,7cm a 160,5cmX108cm que integram a coleção Fundação Pablo Iglesias com mais de 2 mil exemplares originais; um colóquio com historiadores, politólogos e outros estudiosos, em colaboração com a USP; um ciclo de documentários históricos que mostram as diferentes perspectivas políticas do conflito, em colaboração com a Cinemateca Brasileira; e uma leitura poética inspirada por quem, como Lorca, Neruda, Vallejo e Alberti, criaram versos memoráveis no auge da guerra.

A Guerra Civil Espanhola (1936-1939) foi um conflito bélico de dimensão atroz: pela imensa dor que causou ao povo espanhol, pela derrota que sofreu o Governo democrático da Segunda República e por servir de campo de provas para as Potências do Eixo e da União Soviética e como preâmbulo para a Segunda Guerra Mundial; além de representar um desenlace entre as principias ideologias políticas do momento, seguido com paixões  opostas no mundo inteiro.

EXPOSIÇÃO

Cartazes da Guerra Civil

De 02/04 a 23/04

Segundas, das 8h às 20h

Terças a sextas, das 8h às 21h

Sábado, das 9h às 15h

Um grito na parede: assim se definia nos anos trinta o cartaz, essa conjunção estética de imagens impactantes e textos breves que capta a atenção e transmite uma mensagem simples, e que naquele momento desempenhava, junto ao rádio e as revistas, um papel destacadíssimo na comunicação humana anterior à aparição da televisão.

A coleção de cartazes da Fundación Pablo Iglesias constitui um testemunho extraordinário do cartazismo republicano, por sua amplitude e pela variedade de temas, autores, instituições e organizações editoras que a compõe. O bando republicano recorreu aos melhores cartazistas da época, que seguiam os preceitos estéticos da arte vanguardista, em especial do construtivismo russo. A exposição mostra a força, a sensibilidade, os sentimentos e a capacidade intelectual daqueles pintores e cartazistas.

Mesa Redonda Inaugural

Dia 01/04 às 19h30

Com Alberto Reig Tapia da Universidade Orvira e Virgili de Tarragona, Maria Luisa Tucci Carneiro e José Carlos Sebe Bom Meihy, da USP.

 

 

COLÓQUIO

Guerra Civil Espanhola - 70 anos

Dia 02/04, das 10 às 21h

No Auditório do Instituto Cervantes

A Guerra Civil Espanhola (1936- 39), como um dos episódios mais importantes da História, mantem-se viva na memória coletiva constituindo-se como um dos temas comtemporâneos mais estudados. Passados 70 anos do término daquela que foi considerada "a última grande causa da humanidade" no mundo todo questões pertinentes aos seus efeitos desafiam o entendimento. Entre vários pontos, o sentido da comemoração é dos mais expressivos: afinal, o que se celebra na abertura do mês de abril? Seria o fim do sonho republicano, ou o começo do franquismo que, por sua vez, implicou longo processo de busca da democracia atual? Qual o alcance daquela Guerra na transformação do mundo iberoamericano? Para responder a estas e outras questões, estudiosos e testemunhos avaliam o peso dessa experiência levando em conta os vínculos entre a Espanha e a América Latina.

10h00 – 11h15 Historiografia e revisionismo - Alberto Reig Tapia

 

11h15 – 11h45 Debate

 

12h00 - 12h30 Raízes espanholas da Guerra Civil - Josep Buades

 

12h30 - 13h00: A construção da memória franquista

                           Maria Helena Capelato

 

15h00 – 15h30 O Brasil e a Guerra Civil Espanhola

                           José Carlos Sebe Bom Meihy

 

15h30 – 16h00 A imprensa confiscada pelo Deops e a Guerra Civil Espanhola 

                      Maria Luisa Tucci Carneiro    

                      

16h00 – 16h30 A diplomacia brasileira e a Guerra Civil Espanhola

                      Ismara I. de Souza

 

17h00 -17h30 O exôdo republicano e os campos franceses

                     Valéria De Marco

 

17h30 – 18h00 A geração de 98 e a Guerra Civil

                          Ana Lucia Neme

 

19h00  Testemunhos da Guerra Civil no Brasil - primeira e segunda geração - Concepción Piñero Valverde, Rafael Ruiz, María Cristina Soto. Mediação: Dante Marcelo Gallian

 

Alberto Reig Tapia (Madri, 1949) é catedrático de Ciência Política da Universidad Rovira i Virgili de Tarragona especialista em história política da Espanha contemporânea:  processo histórico, atitudes, comportamento, violência, legitimação e mitologização políticas na II República, a Guerra Civil, o franquismo e a democracia. Democrática (CEFID).

 

Cinema – MOSTRA DE DOCUMENTÁRIOS

A Guerra Civil Espanhola, setenta anos depois

Delírios de aviação e terra da Espanha

 

            A mostra GUERRA CIVIL ESPANHOLA, 70 ANOS DEPOIS reúne documentos preciosos sobre o conflito entre republicanos e franquistas. Reportagens pioneiras, feitas em 1936, com imagens de Barcelona sob os destroços, registros dos primeiros dias de guerra em Madri, filmes de propaganda e produções recentes que reveem a experiência da guerra. Entre os destaques da programação, L'Espoir – Sierra de Teruel, dirigido pelo escritor francês André Malraux, España heroica, de Joaquín Reig Gosálbez, filme-manifesto do novo Estado franquista e um programa de curtas produzidos pela CNT – Confederación Nacional del Trabajo, sindicato de operários espanhóis.

Com a curadoria de Wolf Martin Hamdorf e Clara López Rubio, se analisa a representação da Guerra Civil nos filmes documentários e de ficção ao longo dos últimos setenta anos, em seus diferentes contextos culturais.

Uma parceria do Instituto Cervantes e da Cinemateca Brasileira.

 

 

De 15 a 19/04

Cinemateca Brasileira – Sala BNDES

Largo Senador Raul Cardoso, 207

Durante a Guerra Civil, cineastas alemães, soviéticos, norteamericanos e franceses fizeram registros nas duas frentes: André Malraux e Joris Ivens no lado republicano e jornalistas da Alemanha nazista no lado franquista. Durante a Guerra Fria, o conflito espanhol foi utilizado como metáfora em importantes discussões ideológicas – como pode-se ver nos dois filmes alemães - . enquanto na Espanha foi celebrado durante décadas como "cruzada contra o Comunismo". Na transição apareceram filmes interessantes, ainda que a jovem democracia tenha cultivado um pacto de silêncio. Nos últimos dois anos, e animadas pela "Le da Memória" foram realizados na Espanha numerosos filmes sobre o tema.

Dia 15/04, às 18h30 e 18/04, às 17h

Programação cortometraje de la CNT – 81min.

Em espanhol, sem legendas

 

Reportaje del movimiento revolucionario en Barcelona

República Española, 1936, 21 min. | Direção Mateo Santos

 

Primeira reportagem da Guerra Civil. Rodado em Barcelona, suas imagens  abrangem desde o dia 19 até 23 de julho de 1936. Os sinais dos recentes combates: barricadas nas ruas, destroços produzidos pelo combate.

 

Bajo el signo libertario

República Espanhola, 1936, 16 min. | Direção: Les

 

Documentário dramatizado. Registros dos primeiros dias da Guerra Civil em Barcelona se intercalam com episódios encenados de um povo de Aragón onde os anarquistas implantaram a coletivização da agricultura.

 

La defensa de Madrid

República Espanhola, 1936, 22 min. | Direção: Angel Villatoro

 

Madri nos primeiros dias do cerco: trincheiras, barricadas e sacos de areia. Treinamento dos milicianos e milicianas. Um ato de escritores e intelectuais: Luis Aragon, Gastón Ladarga, Gustav Regker, Ludwig Renn, Rafael Alberti...

 

 

Frente y Retaguardia

República Espanhola, 1937, 22 min. | Direção: Joaquín Giner

 

Filme de propaganda que mistura imagens de documentarios de produção industrial e agrária com cenas de ficção na frente de batalha de Aragão.

 

 

Dia 15/04, às 20h30 e 18/04, às 19h

L' Espoir  – Sierra de Teruel

República Espanhola, 1939, 88 min. | Direção: André Malraux e Boris Peskin

Espanhol sem legenda (longa metragem, dvd)

 

Um filme que narra de maneira descontinua – estimulando a inteligencia do espectador -  diferentes episódios da Guerra civil espanhola. Dirigido e escrito pelo francês André Malraux, que contou com a ajuda nos diálogos em espanhol de Max Aub e a colaboração do Antonio del Amo. Em 1939 estreou na França mas só em 1977 foi vista em uma tela espanhola.

 

Dia 16/04, às 18h30 e 18/04, às 21h

España Heroica

Alemanha/Espanha, 1937, 83 min. | Direção: Joaquín Reig Gosálbez

Espanhol sem legenda

 

Começa com uma breve sintese histórica da Espanha destacando como foi alvo de numerosas invasões extranjeiras. Em seguida mostra a inquietude política dos anos vinte e a conflituosa etapa republicana que desemboca na sublevação militar. Descreve os sucessivos feitos bélicos até a tomada de Bilbao pelas forças franquistas. Se silencia a ajuda alemã às tropas de Franco. O filme apareceu na versão alemã Helden in Spanien e depois do fim da guerra estreou na Espanha com o título España Heroica.

 

 

Dia 16/04, às 20h30 e 19/04, às 18h

Unbändiges Spanien (España indómita)

República Democrática Alemã, 1962, 100min | Direção: Kurt Stern e Jeanne Stem

Alemão com legendas em português

 

Filme de montagem que inclui o clássico de Joris Ivens Tierra de España (1937) e ilumina a história posterior, desde o regresso da Legión Condor a Berlin até a cooperação da República Federal Alemã com a Espanha franquista.

 

Dia 17/04, às 18h30 e 19/04, às 20h

Ispanija

URSS, 1939, 85 min | Direção Esfir Shub

Russo com legendas em espanhol

 

A República perdeu a guerra. O filme tem que apresentar esta realidade sem parecer derrotista ou pessimista. Os registros de Roman Karmen se completam com materiais de operadores espanhóis e da propaganda fascista.

 

Dia 17/04, às 20h30 e 19/04, às 15h30

Madrid

España, 1987, 114 min.  | Direção: Basílio Martín Patino

Espanhol sem legenda

 

Um cineasta alemão chega a Madri para rodar um programa de televisão sobre a Guerra Civil. Perseguido por dúvidas sobre sua incumbência e desencontros com os produtores, acaba sendo substituído em uma realização que começava a lhe apaixonar.

 

 

Encerramento - Dia 23/04, às 19h30

Dia Mundial do Livro

Poesia e Guerra Civil: diálogos e intervenções

  

Durante a Guerra Civil Espanhola, artistas do mundo todo se engajaram na luta contra o fascismo. Entre os poetas iberoamericanos, destacam-se os espanhóis García Lorca e Rafael Alberti, o peruano César Vallejo, o chileno Pablo Neruda, o guatemalteco Miguel Ángel Asturias e o mexicano Octavio Paz. Poetas brasileiros, como Manuel Bandeira, Vinícius de Moraes, Carlos Drummond de Andrade e Murilo Mendes, também tomaram a defesa dos ideais republicanos e um deles, o baiano Florisvaldo Mattos, participou das brigadas poéticas.

 

Para relembrar este contexto, poetas latinoamericanos e brasileiros apresentam poemas, canções e videopoemas inspirados em obras da época da Guerra Civil, colocando ao mesmo tempo em cena questões contemporâneas e a arte enquanto forma de conhecimento e intervenção social. Participam, entre outros, Marcelino Freire, Alice Ruiz, Edvaldo Santana, Nicolas Behr, Daniel Michoni (Brasil), Alan Mills,  Julio Serrano (Guatemala), Alejandro Méndez e Nurit Kasztelán (Argentina), Diego Ramírez e Héctor Hernandez (Chile), Rocío Cerón Daniel Saldaña París e Yaxkin Melchy (México).

 

Exposição

Horários: segundas, das 8h às 20h; terças às sextas, das 8h às 21h; e aos sábados, das 9h às 15h.

Local: Espaço Cultural do Instituto Cervantes

Endereço: Av. Paulista, 2439 - Metrô Consolação

Site: http://saopaulo.cervantes.es

Tel. 11 3897-9609

Gratuito

 

Colóquio

Local: Auditório do Instituto Cervantes

Capacidade: 100 Lugares

Distribuição de senhas 1 hora antes

Gratuito

 

Mostra de Documentários

CINEMATECA BRASILEIRA

Largo Senador Raul Cardoso, 207

Sala Cinemateca Petrobras

Próximo ao Metrô Vila Mariana

Outras informações: (11) 3512-6111 (ramal 215)

www.cinemateca.gov.br

Ingressos: R$ 8,00 (inteira) / R$ 4,00 (meia-entrada) / Entrada franca para menores de 12 anos e nas sessões indicadas

Estudantes do Ensino Fundamental e Médio de Escolas Públicas têm direito à entrada gratuita mediante a apresentação da carteirinha.

MANIFESTAÇÕES EM DEFESA DO JORNALISMO

 
 



Geen virus gevonden in het binnenkomende-bericht.
Gecontroleerd door AVG - www.avg.com
Versie: 8.5.285 / Virusdatabase: 270.11.33/2031 - datum van uitgifte: 03/30/09 17:56:00

Oportunidade para mestrandos

Oportunidade para mestrandos

e doutorandos no Canadá

Prazo para inscrições: 22 de maio de 2009

Encontram-se abertas as inscrições para o Programa de Intercâmbio para Estudantes de Pós-Graduação (Graduate Student Exchange Program, GSEP), do governo canadense, que oferece bolsas de estudo no Canadá para estudantes brasileiros de mestrado e doutorado. O GSEP permite aos estudantes realizar pesquisa em uma universidade pública canadense, ou em um instituto de pesquisa afiliado, por um período de quatro a seis meses.

O programa GSEP encontra-se em sua terceira edição e já contemplou estudantes das mais diversas areas do conhecimento. O programa é aberto a todas as disciplinas e projetos de pesquisa com teor científico terão prioridade. Durante o período em que estiverem no Canadá sob o programa GSEP, os estudantes continuam vinculados às suas universidades de origem no Brasil e responsáveis pelo pagamento das respectivas mensalidades e taxas.

É desejável que já exista um acordo de intercâmbio na pós-graduação entre a instituição canadense e a instituição brasileira interessadas. No entanto, projetos de pesquisa decorrentes de colaboração entre professores canadenses e brasileiros que podem levar a uma parceria institucional também serão considerados.

Assim, os candidatos interessados deverão entrar em contato com sua instituição no Brasil para obter informações sobre acordos estabelecidos com instituições canadenses. Uma lista de acordos pode ser encontrada no site da Associação de Universidades e Colleges do Canadá:  http://oraweb.aucc.ca/showcue.html.

 

Serão concedidas bolsas no valor de $ 7.500 dólares canadenses por estudante para um período de 4 meses e de $ 10.000 dólares canadenses por estudante para um período de 5 a 6 meses. O pagamento será realizado diretamente à universidade canadense, que cobrirá as despesas relativas à emissão do visto, passagem aérea, seguro-saúde, livros e equipamentos para pesquisa e uma subvenção de $1.200 dólares canadenses mensais ao estudante para subsistência.

Os bolsistas selecionados deverão iniciar sua pesquisa no Canadá até 15 de março de 2010.

As candidaturas deverão ser submetidas pela instituição canadense. O prazo de inscrição encerra-se em 22 de maio de 2009.

 

Maiores detalhes estão disponíveis no site www.scholarships.gc.ca.

sexta-feira, 27 de março de 2009

Cineclube na Reserva Cultural :: Café da manhã + filme francês

 

Ciné-Club Aliança Francesa, FNAC e Reserva Cultural promove sessão no próximo domingo

 

Ingresso promocional de R$ 5 dá direito à sessão e café da manhã

 

No próximo domingo, 29 de março, às 11h, a Reserva Cultural promoverá a primeira sessão do Ciné-Club Aliança Francesa, Fnac e Reserva Cultural. O filme escolhido para inaugurar o cineclube foi A Esquiva (França/2004) de Abdelattif Kechiche, vencedor de 5 César.

 

Para comemorar o Ano da França no Brasil, a Aliança Francesa realiza, em parceria com a FNAC,  nove sessões de cinema francês até novembro, na Reserva Cultural, um domingo por mês. Sempre às 11h, o ingresso custa R$ 5 e dá direito, além da sessão, ao café da manhã na Pain de France, a boulangerie da Reserva Cultural.

 

Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria da Reserva Cultural a partir da sexta-feira anterior à exibição, das 13h às 22h, ou no domingo, a partir das 9h30. O cineclube é sujeito à lotação da sala.

 

Antes das projeções haverá uma breve apresentação sobre o filme.

 

SINOPSE

 

A Esquiva (L'Esquive) – França (2004) – 117 minutos. Comédia dramática. Censura: 12 anos. Direção: Abdelattif Kechiche. Com Osman Elkharraz, Sabrina Ouazani, Sara Forestier.

Na periferia de Paris, Lydia declama versos de uma peça clássica de Marivaux para apresentação de sua turma na escola. Abdelkrim, ou "Krimo", filho de imigrantes, arrasta seu tédio e descobre subitamente o amor. Introspectivo, como se declarar à garota? O que Krimo não ousa dizer, Marivaux fará em seu lugar. Mas o texto se torna uma verdadeira tortura para Krimo, apavorado com as dificuldades da peça e a exigente professora de francês. Em meio a impasses culturais e afetivos, Krimo encontrará as palavras e o jeito certo para expressar seus sentimentos?

Saiba mais

- Filme ganhador de 5 César (o Oscar francês), incluindo Melhor Filme e Melhor Diretor.

- Do mesmo diretor de O Segredo do Grão e A Culpa de Voltaire.   

 

As próximas sessões estão previstas para 26 de abril (Quando tudo começa, de Bertrand Tavernier) e 24 de maio (Ser e ter, de Nicolas Philibert). Os três filmes integram o Ciclo 1 do cineclube, com filmes que giram em torno do tema "A escola na França: diversidades e dilemas contemporâneos".

 

Serviço:

 

Ciné-Club Aliança Francesa, Fnac e Reserva Cultural

Data: Domingo, 29 de março de 2009

Ingresso: R$ 5 (sessão + café da manhã)

Horários:

9h30: abertura da bilheteria

10h: café da manhã

11h: exibição

Sala de exibição: Sala 1 (190 lugares)

Endereço: Avenida Paulista, 900. Térreo Baixo (entre as estações Trianon Masp e Brigadeiro do metrô)

Tel: (11) 3287-3529

Estacionamento conveniado:

Gazeta Multipark (no subsolo do cinema)

Rua São Carlos do Pinhal, 303

Convênio: R$ 10 válido por 3 horas, de segunda a sexta (com serviço de manobrista)

Sábado, domingo e feriados: R$ 10 para 6 horas

Informações: www.aliancafrancesa.com.br

 

- Sujeito à lotação da sala.

- Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria da Reserva Cultural a partir da sexta-feira anterior à exibição, das 13h às 22h, ou no domingo, a partir das 9h30.

Duas exposições coletivas reúnem 39 dos mais expressivos xilogravuristas do Brasil e da Argentina

 
 

 

FORTALEZA, 28.03.2009 – Arte e técnica de fazer gravuras em relevo sobre madeira, a Xilogravura será tema de duas exposições coletivas simultâneas a serem abertas na próxima terça-feira, 31, às 19 horas, no Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza (rua Floriano Peixoto, 941 – Centro – fone: (85) 3464.3108).

Juntas, as duas mostras exibirão obras de 37 xilogravuristas de sete estados brasileiros (Ceará, Paraíba, Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul), um grupo de artistas paulistas (Espaço Coringa) e um argentino (Nicolás Robbio). Gratuitas ao público, as duas exposições ficarão em cartaz no CCBNB-Fortaleza até o próximo dia 3 de maio (horários de visitação: terça-feira a sábado, de 10h às 20h; domingo, de 10h às 18h).

Intitulada "Entre a Xilo e o Múltiplo: Clube de Colecionadores de Gravura do MAM", a primeira exposição resulta de parceria entre o Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP) e o Centro Cultural Banco do Nordeste. Com curadoria de Cauê Alves, a exposição reunirá uma mostra representativa de gravuras realizadas por 29 dos mais importantes gravuristas do Brasil e da Argentina para o Clube de Colecionadores de Gravura do MAM.

O objetivo da mostra é apresentar, de modo didático, com matrizes originais e textos explicativos, as técnicas tradicionais da gravura (xilogravura, litografia, gravura em metal e relevo), bem como trabalhos contemporâneos que ampliam a noção tradicional dessa técnica.

Por sua vez, a segunda exposição se denomina "Minha Vida na Xilogravura: Gravadores de Juazeiro", e reunirá dez xilogravuristas cearenses, naturais de Juazeiro do Norte (região do Cariri, sul do Estado). Essa mostra apresentará gravuras que expressam as trajetórias desses dez artistas, porém mostrando temas diferentes das tradicionais imagens daquela região.

Da exposição "Entre a Xilo e o Múltiplo: Clube de Colecionadores de Gravura do MAM", participam os seguintes 29 gravuristas: Antonio Dias (PB), Athos Bulcão (RJ/1918 – DF/2008), Cildo Meireles (RJ), Daniel Senise (RJ), Espaço Coringa (SP), Fábio Miguez (SP), Efrain Almeida (CE), Hélio Vinci (SP), Hércules Barsotti (SP), José Damasceno (SP), José Marcionilo Pereira Filho – Nilo (CE), Judith Lauand (SP), Karin Lambrecht (RS), Laura Vinci (SP), Mabe Bethônico (MG), Marepe (BA), Nelson Leirner (SP), Nicolás Robbio (Argentina), Nuno Ramos (SP), Paulo Bruscky (PE), Paulo Climachauska (SP), Regina Johas (SP), Rivane Neuenschwander (MG), Roberto Bethônico (MG), Rubem Grilo (MG), Sérgio Sister (SP), Valeska Soares (MG), Vânia Mignone (SP) e Waltércio Caldas (RJ).

Participam da exposição "Minha Vida na Xilogravura: Gravadores de Juazeiro" dez artistas caririenses, a saber: Abrahão Batista, Ailton Laurino, Cícero Lourenço, Cosmo Braz, Francorli, José Lourenço, Manoel, Naldo, Nilo e Stênio Diniz. Todos esses dez xilogravuristas estarão presentes à abertura da mostra no CCBNB-Fortaleza.

 

Do Cariri para o MAM e vice-versa (texto do curador Cauê Alves)

A história da arte, como se sabe, foi narrada por alguns teóricos, historiadores e críticos de arte como uma grande e coerente narrativa. Em geral, nestas narrativas a história foi compreendida a partir de um processo linear e progressivo, como se houvesse uma racionalidade que orientasse o fluxo do tempo.

Uma vez constatada a insuficiência destes modelos para a compreensão da arte contemporânea e, portanto, do fim das grandes narrativas, se reconheceu que o tempo não é homogêneo, constante e linear. A história da arte não funciona necessariamente por acumulação e progresso.

Se não há mais a concepção de que a arte se desenvolveu numa única tradição e nem a crença de que exista uma racionalidade imanente à história, então podemos perceber que uma série de tradições, de origem moderna ou não, populares ou eruditas, coexistem e habitam o mesmo espaço.

Ou melhor, como a própria história da arte nos mostra, classificações estanques ou definições precisas e fechadas do que seja ou não arte contemporânea talvez não tenham mais correspondência com a realidade.

É tendo como premissa essa amplitude de tradições e o diálogo constante entre elas que o Clube de Colecionadores de Gravura do Museu de Arte Moderna de São Paulo, junto com o Centro Cultural Banco do Nordeste, realizou a primeira etapa de mini-residências artísticas. O objetivo foi promover o encontro entre artistas que vivem na região do Cariri e o Clube de Gravura.

Durante o mês de agosto de 2008, Efrain Almeida, artista convidado pelo Clube de Gravura do MAM em 2008, a coordenadora de artes visuais do CCBNB, Jacqueline Medeiros, e o curador do Clube, Cauê Alves, estiveram na região do Cariri para estabelecer um diálogo próximo com os gravadores e preparar o início do projeto.

Efrain Almeida elaborou sua proposta de gravura a partir da parceria que construiu com um grande número de gravadores de Juazeiro, a maioria pertencente à Lira Nordestina. Além de ponto de encontro, troca e organização dos artistas, a Lira Nordestina, hoje pertencente à Universidade Regional do Cariri, é a mais antiga gráfica de cordel do Brasil.

A impressão que será feita para o Clube do MAM, é composta por um conjunto de auto-retratos dos artistas que ao gravarem seu traço na madeira, estão também representando seu rosto e sua identidade. O trabalho final será composto pelo conjunto de gravuras numa única folha de papel. Nele será possível reconhecer um panorama dos gravadores e da produção atual do Cariri, trabalho feito a partir de um intenso diálogo com Efrain Almeida e o Clube de Gravura.

A frutífera parceria entre o MAM e o CCBNB está se desenvolvendo a partir do convite feito pelo Clube de Gravura do MAM para que um artista de Juazeiro do Norte, José Marcionilo Pereira Filho, o Nilo, participasse do Clube de Gravura do MAM. Já neste ano, Nilo foi pela primeira vez para São Paulo conhecer as instituições culturais da cidade, o acervo do Museu e desenvolver seu projeto de gravura.

Ao trazer a rica tradição da xilogravura do Cariri ao MAM, o Clube de Gravura está não apenas fomentando a produção e difusão da gravura e do colecionismo de obras de arte, como refletindo sobre o complexo e intrincado circuito da arte contemporânea. Se as grandes narrativas históricas já não possuem validade, também há bastante tempo, pelo menos desde a arte pop, não se admite mais definições excludentes entre a arte popular e erudita. O trabalho desenvolvido por Efrain Almeida nos mostra que as fronteiras entre estas tradições continuam borradas.

 

 

ENTREVISTAS E INFORMAÇÕES ADICIONAIS:

·         Cauê Alves (curador da exposição "Entre a Xilo e o Múltiplo: Clube de Colecionadores de Gravuras do MAM") – (11) 9885.0197 – cauealves@hotmail.com

·         Francorli (artista caririense participante da exposição "Minha Vida na Xilogravura: Gravadores de Juazeiro") – (88) 9201.8641 / 9271.1811 / 3572.1811

·         Jacqueline Medeiros (coordenadora de Artes Visuais do CCBNB) – (85) 8851.5548 / (88) 3512.2855 – jacquerlm@bnb.gov.br

·         Luciano Sá (assessor de imprensa do Centro Cultural Banco do Nordeste) – (85) 3464.3196 / 8736.9232 – lucianoms@bnb.gov.br



Geen virus gevonden in het binnenkomende-bericht.
Gecontroleerd door AVG - www.avg.com
Versie: 8.5.283 / Virusdatabase: 270.11.30/2026 - datum van uitgifte: 03/27/09 07:13:00

Estréia - O Fingidor

 

SALÃO MINEIRO DO TURISMO

 





Gastronomia mineira é destaque no II Salão Mineiro do Turismo

O tradicional feijão tropeiro será uma das delícias do Salão Mineiro de Turismo

 

Realizado nos dias 03 e 04 de abril, pela Secretaria de Estado de Turismo de Minas Gerais, o II Salão Mineiro de Turismo contará com a Área da Gastronomia - espaço de convivência voltado para degustação de sabores típicos da gastronomia de Minas. O objetivo do Salão Mineiro é fomentar o turismo interno no Estado e apresentar para o público belo-horizontino uma síntese dos atrativos turísticos de todas as regiões de Minas Gerais.

Em parceria com a Setur, a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes -(ABRASEL MG) -  será responsável pelo espaço, que contará com a presença dos seguintes estabelecimentos:  Ao Forno, Chispita Alimentos, Delícias na Brasa e Gran Maison. Para o público presente será oferecido um variado cardápio que inclui tradicionais delícias mineiras como pão de queijo, pamonha, feijão tropeiro, escondidinho de carne de sol, sanduíches, doces mineiros e, é claro, um delicioso cafezinho. Tudo isso num ambiente muito agradável, decorado com temática típica de Minas e que contará com apresentações musicais (voz e violão, roda de viola, sanfoneiros), contadores de causos, dança e folclore.

A gastronomia é uma das maiores riquezas de Minas Gerais e uma das principais motivações do turista. “Valorizar nossa diversidade cultural através da gastronomia é uma das maneiras de demonstrar que Minas é um Estado completo. Aqui, o turista é recebido com mesa farta e muita hospitalidade.  É isso que queremos evidenciar no Salão Mineiro do Turismo”, afirma a secretária de Estado de Turismo, Érica Drumond.

Gastronomia mineira

A gastronomia mineira já se tornou referência para o turista nacional e internacional.  Em todos os 853 municípios mineiros, é possível provar dos quitutes e quitandas feitos por mãos habilidosas, de gerações que se revezam nos fazeres de cozinhas centenárias, transformando a culinária em um diferencial para quem visita o Estado.

Durante todo o ano é possível conhecer destinos de cultura, história, natureza e, em especial, gastronomia. De janeiro a dezembro, festas, encontros gastronômicos e festivais são realizados em diversas cidades mineiras. Milho, morango, pequi, vinho, queijo, biscoito, carne, banana, jabuticaba, ora-pró-nobis, café, cachaça: tudo é motivo de festa e inspira um festival, que atrai grande número de visitantes.

Mostra do turismo do Estado

O Salão Mineiro de Turismo será uma mostra dos produtos turísticos de todas as regiões de Minas, e um convite para que o mineiro conheça os atrativos turísticos do Estado.  No encontro haverá espaço de discussão e palestras, voltado para gestores públicos e empreendedores do turismo, sobre os avanços, modelos de gestão e novidades no setor.

Além de divulgar o turismo de Minas, o Salão será uma oportunidade de fortalecimento e apresentação dos trabalhos das Associações dos Circuitos Turísticos. O evento contará com: Espaço dos Destinos Turísticos, Manifestações Culturais, Espaço de Comercialização, Armazém Minas Gerais, Espaço Gastronômico, Espaço do Conhecimento, Clínica Tecnológica e áreas sobre Linhas de Financiamento e Turismo de Negócios. A expectativa da Secretaria de Estado de Turismo é de um público de 10 mil pessoas.

A abertura oficial do evento será realizada no dia 03 de abril, às 10 horas, no Auditório Topázio no Minascentro. A feira é aberta ao público em geral e terá funcionamento no dia 03 de abril das 12hs às 20hs e no dia 04 de abril, das 10h às 18h. Para mais informações e credenciamento, acesse www.turismo.mg.gov.br. 



Sebrae-MG oferece consultorias gratuitas durante evento

Clínicas Tecnológicas e atendimentos individuais serão oferecidos gratuitamente durante o 2º Salão Mineiro de Turismo. Agências de receptivos, operadoras de viagens e visitantes do evento irão receber informações sobre gestão, planejamento e marketing, com foco no setor turístico. Os atendimentos são realizados pelo SEBRAE-MG, em 3/4, no Minascentro. As inscrições podem ser feitas no 0800 570 0800.

Nas clínicas tecnológicas, consultores do SEBRAE orientam grupos com até 10 participantes. Serão 12 turmas que discutirão temas como formação de conselho municipal de turismo; elaboração de projetos para captação de recursos; planejamento turístico e organização de eventos. Consultores e participantes poderão trocar experiências e encontrar soluções e idéias para o negócio.

Para aqueles que querem um atendimento mais personalizado serão oferecidas consultorias individuais. Os interessados receberão informações sobre finanças, planos de negócios e marketing.

No Espaço do Conhecimento, o visitante do Salão terá ainda a oportunidade de participar de palestras e seminários relacionados ao desenvolvimento do turismo em Minas Gerais.

 Bons resultados

A segunda edição do Salão Mineiro de Turismo é promovido pela Secretaria de Turismo em parceria com o Ministério do Turismo e SEBRAE-MG. Em 2007, a programação incluiu workshop, feira de produtos turísticos e a Rodada de Negócios, realizada pelo SEBRAE, que reuniu mais de 50 agências de receptivo de Minas Gerais e 12 operadoras de turismo de São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará e Espírito Santo.

Tema

Horário

Nº de vagas disponíveis

Formação de Conselho Municipal de Turismo

das 14 às 16h

40 vagas, sendo 10 vagas por cada tema

Elaboração de Projetos para captação de recursos

Planejamento Turístico

Organização de Eventos

 

 

 

 

 

Tema

Horário

Nº de vagas disponíveis

Formação de Conselho Municipal de Turismo

das 16às 18h

40 vagas, sendo 10 vagas por cada tema

Elaboração de Projetos para captação de recursos

Planejamento Turístico

Organização de Eventos

 

 

 

 

 

Tema

Horário

Nº de vagas disponíveis

Formação de Conselho Municipal de Turismo

das 18 às 20h

40 vagas, sendo 10 vagas por cada tema.

Elaboração de Projetos para captação de recursos

Planejamento Turístico

Organização de Eventos

 

 

 

 

  (Fonte: Assessoria de Imprensa Sebrae MG)



Você recebeu este e-mail porque faz parte da nossa lista de contatos. Se quiser ser removido clique aqui.

Este informativo foi gerado a partir do sistema iSend. Para obter informações clique aqui.



Geen virus gevonden in het binnenkomende-bericht.
Gecontroleerd door AVG - www.avg.com
Versie: 8.5.283 / Virusdatabase: 270.11.30/2025 - datum van uitgifte: 03/26/09 20:05:00