segunda-feira, 29 de setembro de 2008

INSCRIÇÕES PARA VI SIMPÓSIO BRASILEIRO DE EDUCOMUNICAÇÃO ESTÃO ABERTAS

O SESC São Paulo realiza, de 28 a 30 de outubro de 2008, um simpósio especialmente dedicado ao debate da relação entre meio ambiente, jornalismo e educomunicação. Trata-se do VI Simpósio Brasileiro de Educomunicação, previsto para ocorrer no SESC Vila Mariana, em São Paulo, numa parceria com o NCE – Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo, o Ministério do Meio Ambiente, o Canal Futura e o International Institute of Journalism and Communication, de Genebra, Suíça.



O debate entre comunicadores, educadores e especialistas na área do meio ambiente tem o propósito de socializar as reflexões e experiências no campo da educomunicação socioambiental e refletir sobre os desafios que o meio ambiente e sua preservação apresentam para a mídia, para o ensino e para as políticas das organizações sociais.






Entre os 45 conferencistas estão Débora Garcia, supervisora de conteúdo do Canal Futura; André Trigueiro, da Globo News; Marcelo Leite, da Folha de São Paulo; Mathew Shirts, da Revista National Geographic; Herton Escobar, do jornal O Estado de São Paulo; Filomena Salemme, da Rádio Eldorado, e Eugênio Bucci, ex-presidente da Radiobrás e professor da ECA-USP. O evento contará, ainda, com Ismar de Oliveira Soares, da ECA-USP, pesquisador do conceito da educomunicação; Daniel Raviolo, sociólogo argentino e fundador da ONG Comunicação e Cultura, de Fortaleza (CE) responsável por projeto de jornal em 1.200 escolas, possibilitando um mapeamento dos problemas ecológicos do Nordeste elaborado por crianças e adolescentes da região, assim com o Marcia Rolemberg, da Secretaria do Meio Ambiente do Estado do Rio de Janeiro, vinculada ao Projeto Nas Ondas do Ambiente, que o Ministro Carlos Minc pretende lançar para todo o país.





Mostras de documentários e atividades artísticas farão parte da programação, além uma série de workshops voltados à produção de documentários para TV e de programas de rádio em escolas voltados para a mobilização multimidiática em torno dos temas ambientais, com a presença de especialistas como Leonardo Menezes, do programa Globo Ecologia; Francisco Costa, do Ministério do Meio Ambiente e Carlos Lima, Presidente do Comitê Gestor da Lei Educom, em São Paulo.




Entre os temas abordados nas conferências e painéis estão: A Imprensa Brasileira e o Meio Ambiente; Educomunicação Socioambiental; Consumo Consciente para a Sustentabilidade e Meio Ambiente: Na Comunidade, na Mídia e na Educação Formal.






O simpósio contará com a cobertura jornalística de um grupo de 100 adolescentes de programas educomunicativos do NCE/USP e seus parceiros. As produções serão exibidas através da web-rádio e na programação do Canal Futura.






O evento tem o apoio da Rádio Eldorado, da Revista Viração, da Rede CEP – Comunicação Educação e Participação.





As inscrições para participar do simpósio e a programação completa das conferências, mesas-redondas, workshops, painéis e atividades paralelas estão no site: www.sescsp.org.br








VI SIMPÓSIO BRASILEIRO DE EDUCOMUNICAÇÃO
De 28 a 30 de outubro de 2008
Informações:

SESC Vila Mariana

Rua Pelotas, 141 – São Paulo

Terça a sexta, das 9h às 21h30

Sábado, domingo e feriado, das 10h às 18h30

Fone: (11) 5080-3142

www.sescsp.org.br

conferencias@vilamariana.sescsp.org.br


SESC Vila Mariana

João Carlos Martins e Orquestra Bachiana Filarmônica se apresentam na Sala São Paulo em defesa da Amazônia

Maestro traz para a cidade o concerto apresentado no Carnegie Hall, em maio, para promover o Programa de Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA). No repertório, a estréia nacional da Suíte Brasileira, do maestro Mateus Araújo, e a execução da Suíte Orquestral nº 3, de J.S. Bach. Martins ainda se apresenta como solista, interpretando peças de Mozart e Piazzola


“Apesar de muita adversidade, mantendo a música viva” – foi assim que o jornal The New York Times registrou em suas páginas o mais recente concerto do maestro João Carlos Martins e da Orquestra Bachiana Filarmônica no Carnegie Hall, em maio deste ano. Martins subiu ao palco do templo da música erudita para promover o Programa de Áreas Protegidas da Amazônia, o ARPA, o mais consistente projeto de proteção da Amazônia, liderado pelo Ministério do Meio Ambiente e por importantes Organizações do Terceiro Setor. Para continuar o trabalho de conscientização do público, o maestro traz o aclamado concerto para a Sala São Paulo, no dia 9 de outubro. No repertório, a estréia nacional da Suíte Brasileira, composta por Mateus A raújo especialmente para a apresentação do Carnegie Hall, além da execução da Suíte Orquestral nº3, de Johann Sebastian Bach.

Na segunda parte do concerto, Martins se apresenta ao piano – tradição que faz questão de perpetuar em seus concertos como regente, apesar de seus problemas físicos. Como solista ao lado de sua orquestra, Martins vai interpretar o 2º movimento dos Concertos nº 27 e 23 de Mozart e Adiós Nonino, de Astor Piazzolla.


Encontro entre passado e futuro

A escolha da Suíte Orquestral nº 3 (1720) para o repertório, um trabalho de Bach que sintetiza a história da música até aquele momento, contrasta com a obra de Mateus Araújo, maestro titular da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz, de Belém, que explorou na Suíte Brasileira técnicas de composição da música erudita contemporânea aliadas a ritmos brasileiros. “A Suíte é uma peça de quatro movimentos combinando técnicas orquestrais tradicionais com a riqueza da música popular brasileira e suas linhas melódicas”, explica o maestro Mateus Araújo.


Um concerto de celebração

A apresentação na Sala São Paulo no dia 9 de outubro também marca os dois anos de existência da Fundação Bachiana. Sonho de um grupo de músicos e empresários brasileiros, entre eles o próprio João Carlos Martins, a Fundação Bachiana se constitui hoje na única iniciativa de sucesso de uma orquestra privada no Brasil. Só em 2007, foram 110 apresentações para mais de 200 mil pessoas, entre turnês, temporadas e concertos ao ar livre. O trabalho é feito não só pela Bachiana Filarmônica, mas também pela Orquestra Bachiana Jovem, formada por 35 novos talentos da música erudita brasileira.

Também chamada de Bachianinha, a Orquestra Jovem desenvolve trabalhos de democratização da música erudita. Neste ano, a Orquestra desenvolveu o projeto Toca Atitude, uma parceria com o Instituto Votorantim para levar música erudita aos alunos dos CEUs (Centro de Educação Integrada) de São Paulo, viajou o interior do Brasil em concertos gratuitos para a população, além de ter realizado apresentações em instituições como a Fundação Casa, ex-Febem. “A orquestra tem de exercer um grande carisma perante o público. E as orquestras da Fundação Bachiana exercem este carisma”, diz o maestro João Carlos Martins. “Elas realmente conseguem demonstrar que fazem música, antes de tudo, com ideal e com amor, o que provoca nas pessoas, mesmo naquelas que não possuem erudição musical, a possibilidade de experimentar a transformação que a música pode proporcionar”.

Serviço:

Orquestra Bachiana Filarmônica em defesa da Amazônia

Regente e solista: João Carlos Martins

Sala São Paulo, 9 de outubro, quinta-feira, 21 horas

Praça Júlio Prestes, s/n

Programa:

Johann Sebastian Bach - Suíte Orquestral # 3

Mateus Araújo - Suíte Brasileira

Intervalo

Mozart – Segundo movimento dos Concertos # 23 K 488 e # 27, K 495

Astor Piazzola – Adiós Nonino

Ingressos:

De R$ 50 a 90 reais. Estudantes e idosos pagam meia. À venda na bilheteria da Sala São Paulo (3223-3966), ou pelo Ingresso Rápido (4003-1212/ www.ingressorapido.com.br)

Exposição sobre Machado de Assis

Museu da Língua Portuguesa anuncia prorrogação da exposição sobre Machado de Assis no dia em que se homenageia o centenário de morte do autor



Sucesso de público, com mais de 120 mil visitantes em apenas dois meses,

Machado de Assis: mas este capítulo não é sério fica em cartaz até março de 2009



O Museu da Língua Portuguesa decidiu prorrogar a permanência de Machado de Assis: mas este capítulo não é sério que está em cartaz no primeiro andar, espaço dedicado a mostras temporárias. Aberta ao público no dia 15/07, a exposição já registrou 120. 409 mil visitantes até o último domingo (28/090. Com a decisão, Machado de Assis fica no Museu até o dia 01º de março de 2009, com uma expectativa de receber cerca de 300 mil pessoas até lá – a previsão inicial era que a exposição fosse encerrada no próximo dia 26/10.



“Imaginávamos que faria sucesso, mas foi uma grata surpresa ver que a exposição é a mais visitada em São Paulo em uma época de tamanha efervescência cultural na cidade. Pela demanda que temos de visitas, inclusive com inúmeros pedidos de agendamento de escolas públicas, nada mais sensato do que prorrogar a exposição e a homenagem a Machado”, explica Antonio Carlos Sartini, superintendente do Museu. “E, como uma deferência ao autor, fazemos o anúncio justamente quando se completam 100 anos de sua morte”, acrescenta. A mostra é uma realização da Secretaria de Cultura do Governo do Estado de São Paulo e do Museu da Língua Portuguesa, através da Poiesis – Organização Social de Cultura, responsável pela administração do museu.




Exposição MACHADO DE ASSIS: “MAS ESTE CAPÍTULO NÃO É SÉRIO” no Museu da Língua Portuguesa



Inaugurada em 15 de julho, a mostra ocupa o espaço para exposições temporárias no primeiro andar do Museu até 01/03/2008, relembra aquele que é considerado por muitos o maior escritor da literatura brasileira e uns dos maiores da literatura universal, Joaquim Maria Machado de Assis (1839-1908), no ano em que se completa o centenário de sua morte.



“Com essa exposição, queremos, além de homenagear Machado de Assis, dismitificá-lo sem tirar seu inegável mérito, aproximá-lo do leitor. Por isso, o título remete a um dos capítulos de Memórias Póstumas de Brás Cubas – o Capítulo CXXXII / Que não é sério –, e já mostra a visão crítica e por vezes irônica do autor para com tudo: a sociedade, suas personagens e sua própria obra. A exposição, como o autor e sua obra, não é sisuda, e mostra ao nosso grande público o prazer que causa ler qualquer um dos títulos do grande Machado de Assis”, explica Antonio Carlos Sartini, superintendente do Museu da Língua Portuguesa.



A exposição tem coordenação geral de Ana Helena Curti, arquitetura de Pedro Mendes da Rocha, curadoria de Cacá Machado e Vadim Nikitin e consultoria de José Miguel Wisnik. Machado de Assis: “mas este capítulo não é serio” conta com apoio da Academia Brasileira de Letras e da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, co-patrocinadora e responsável pela impressão de todas as peças gráficas da mostra, fundamentais para sua realização (mais informações abaixo).



A exposição

Machado de Assis: “mas este capítulo não é sério” é, em grande parte, baseada na obra ‘Memórias Póstumas de Brás Cubas’, publicada originalmente como folhetim, em 1880, e editada como livro no ano seguinte.



“A proposta dos curadores Cacá Machado e Vadim Nikitin e de José Miguel Wisnik, que atuou como consultor, é fazer com que o centenário aproxime os mais variados públicos desse autor, que tantas vezes levou a fama de clássico inalcançável ou de bibliografia escolar obrigatória”, conta Ana Helena Curti, coordenadora geral da mostra.



Logo na entrada, o visitante encontra o Capítulo C – Um homem célebre. Nesse espaço, ambientado como uma sala do século XIX, estão ícones do ambiente erudito em que Machado de Assis viveu e de suas paixões – caso da música clássica, representada por um piano e na sonorização do ambiente.



Ao passo que o visitante caminha, diferentes ambientes se sucedem, entre os quais Capítulo MDCCCLXXXIX – Medalhões, mostrando a dimensão que o nome do escritor tomou, inclusive com a nota de mil cruzados que trazia sua face; Capítulo I – O folhetinista, em que projeções multimídia remetem o Rio de Janeiro de Machado de Assis ao Rio de Janeiro atual; Capítulo XIV – Olhos de ressaca, onde imagens em uma penteadeira mostram olhos de mulheres do século XIX, em referência à personagem Capitu; e Capítulo XXX – Irreal Gabinete de Leitura, em que leitores famosos (como a atriz Malu Mader e o dramaturgo José Celso Martinez), e anônimos, como um policial militar e uma dona de casa, recitam obras distintas de Machado de Assis em cinco telas diferentes.



Por fim, no Capítulo MCMVIII – O delyrio, o espectador acompanha, por um corredor, a cronologia invertida do escritor, de sua morte ao nascimento, em montagem que relaciona os anos de vida Machado de Assis com a literatura e a história do Brasil à época.



Livreto do visitante

Cada pessoa que visitar Machado de Assis: “mas este capítulo não é sério” receberá um Livreto do Visitante, peça gráfica que faz parte da mostra. São 48 páginas que, a todo momento, interagem com a exposição e o visitante. “É uma nova forma expositiva que utilizamos; o espectador se surpreenderá com o conteúdo e o seu diálogo com o espaço dedicado a Machado de Assis”, revela Sartini. O Livreto foi viabilizado graças à parceria do Museu da Língua Portuguesa e do Instituto Brasil Leitor com a Imprensa Oficial do Estado, que co-patrocina a mostra e é responsável pela impressão de 250 mil exemplares do material e de todas outras peças gráficas.



“Para a Imprensa Oficial, é uma honra ajudar o Museu da Língua Portuguesa a contar a história de Machado de Assis, o maior gênio da nossa literatura. Essa exposição é um convite a voltar no tempo em que o escritor e seus célebres personagens viveram. É também um estímulo para que as novas gerações tenham contato com a obra do romancista", diz Hubert Alquéres, presidente da Imprensa Oficial do Estado de S. Paulo.



Ficha técnica



Machado de Assis: “Mas este capítulo não é serio”

Museu da Língua Portuguesa – de 15/07/2008 a 01/03/2009



Realização:

Secretaria de Estado da Cultura | Museu da Língua Portuguesa | Poiesis – Organização Social de Cultura

Co-patrocínio:

Imprensa Oficial do Estado de São Paulo
Apoio
Academia Brasileira de Letras

Concepção Geral - arte3
Coordenação Geral - Ana Helena Curti
Curadoria - Vadim Niktim e Cacá Machado
Consultoria - José Miguel Wisnik
Produção Executiva - Paula Daniela Silva
Projeto Museográfico - Pedro Mendes da Rocha e André Stolarski
Projeto Programação Visual – Tecnopop | André Stolarski
Projeto Multimídia - Duas Águas | Gustavo Moura
Trilha Sonora - Estúdio Zut! | Cacá Machado
Pesquisa Documental e Iconográfica - Silvana Jeha, Monique Goldfield e Sandro Meneses
Pesquisa de Objetos - Aby Cohen



Museu da Língua Portuguesa



Serviço:



Endereço:

Praça da Luz, s/nº, Centro

São Paulo – SP

CEP: 01120-010



Contatos:

Telefone: (11) 3326-0775 E-mail: museu@museudalinguaportuguesa.org.br

Site: www.museulinguaportuguesa.org.br

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

32ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo terá retrospectiva de Ingmar Bergman

A 32ª edição da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, que acontece entre 17 e 30 de outubro, exibirá retrospectiva de filmes do cineasta sueco Ingmar Bergman, com obras raras do início de sua carreira. O autor também será homenageado com exposição fotográfica e relançamento de sua autobiografia.



Outro homenageado da Mostra é o cineasta japonês Kihachi Okamoto (1924 – 2005), que também ganhará retrospectiva. A Mostra ainda trará a São Paulo importantes figuras do cinema mundial como o cineasta argentino Pablo Trapero e a atriz, cineasta e cantora portuguesa Maria de Medeiros, e fará exibição especial de “Berlin Alexanderplatz”, uma das grandes obras de Rainer Werner Fassbinder.



Homenagem a Ingmar Bergman



No ano em que Ingmar Bergman completaria 90 anos, a Mostra homenageia o cineasta com uma retrospectiva que privilegia filmes raros do início de sua carreira. Entre os filmes que farão parte da seleção estão “Crise” (1946), “Prisão” (1949), “Rumo à Alegria” (1950) e “A Hora do Lobo” (1968). Os filmes serão exibidos em cópias novas em 35 mm produzidas com supervisão do Instituto Sueco, órgão que difunde a cultura sueca no mundo.



A Mostra também apresentará a exposição “Meus Encontros com Bergman”, uma seleção de fotografias em que o cineasta aparece nos bastidores das filmagens. As fotos, tiradas entre as décadas de 50 e 80, são do sueco Ove Wallin. A exposição já passou por Estocolmo e Tóquio.



A Mostra ainda promoverá o relançamento de “Lanterna Mágica”, a autobiografia do cineasta, reeditada pela Cosac Naify e com tradução direta do original sueco. A obra foi publicada originalmente no Brasil pela editora Guanabara em 1988 e está esgotada.



Retrospectiva Kihachi Okamoto



Outro homenageado da Mostra é o cineasta japonês Kihachi Okamoto (1924 – 2005). O autor ganhará uma retrospectiva composta por 14 de seus 39 títulos. Kihachi Okamoto, um dos pioneiros do novo cinema japonês, já foi comparado a Samuel Fuller, mas permaneceu pouco conhecido fora do Japão. O diretor, no entanto, influenciou cineastas ocidentais contemporâneos como Quentin Tarantino (“Kill Bill Vol. 1 e 2”) e Jim Jarmusch (“Ghost Dog: Matador Implacável”). Além de seus notáveis filmes de samurai (chambara movies) e de gângster, Okamoto realizou importantes filmes de guerra.



Okamoto nasceu em 1924 em Tottori, no Japão. Em 1943, começou a trabalhar como assistente de direção nos estúdios Toho, mas logo depois foi recrutado pelo serviço militar. Aos 19 anos, foi enviado para a fronte do Pacífico da Segunda Guerra Mundial. Após a guerra, voltou aos estúdios e foi assistente de direção de Senkichi Taniguchi, Masachiro Makino e Mikio Naruse, entre outros. Esta geração de cineastas iria, na década de 1960, repensar e transformar o cinema de gênero japonês.



Como muitos cineastas de sua geração --Masaki Kobayashi (nascido em 1919), Kenji Misumi (nascido em 1921), Seijun Suzuki (nascido em 1923), Yasuzo Masumura (nascido em 1924)--, Okamoto foi influenciado pela Segunda Guerra Mundial, e sua obra é permeada pelos temas da violência e dos conflitos.



Sua cinematografia, no entanto, percorre diversos estilos. Okamoto realizou sérios dramas históricos, filmes de ação e até comédias com toques musicais. Grande fã de John Ford, Okamoto inseriu elementos do western na maioria dos seus filmes.



Suas histórias cômicas, seu trabalho de câmera de tirar o fôlego e sua montagem de ritmo rápido ficaram conhecidas como “toque Kihachi”. Entre os títulos confirmados na Mostra estão seu filme de estréia, “All About Marriage” (1958), e importantes filmes de sua carreira como “Desperado Outpost” (1959), “The Sword of Doom” (1966) , “Kill” (1968), “Oh, My Bomb!” (1964).





“Berlin Alexanderplatz”, de Rainer Werner Fassbinder



A Mostra fará exibição especial de “Berlin Alexanderplatz”, série de 1980 realizada para a TV pelo cineasta alemão Rainer Werner Fassbinder. É a primeira vez que a obra, com mais de 15 horas de duração, será exibida em 35 mm no Brasil –a série foi exibida em 16 mm na 9ª Mostra de Cinema, em 1985. A exibição, que tem apoio do Instituto Goethe, será dividida em blocos de três episódios por noite a partir de 25 de outubro.



Workshop com Pablo Trapero



Pablo Trapero, autor de “Família Rodante” e um dos mais importantes cineastas argentinos, é um dos convidados da 32ª Mostra de Cinema. O diretor ministrará um workshop de direção na FAAP, assim como já fizeram em edições anteriores os cineastas israelense Amos Gitai e o iraniano Abbas Kiarostami.



Seu mais recente filme, “Leonera”, que estreou no Festival de Cannes deste ano, será exibido pelo Festival. A atriz Martina Gusmán, mulher de Trapero e protagonista do filme, também vem a São Paulo para as exibições do longa.



Show de encerramento com Maria de Medeiros



A atriz, cineasta e cantora portuguesa Maria de Medeiros fará, em 30 de outubro, o show de encerramento da Mostra. Medeiros, que foi nomeada em 17 de março deste ano “Artista da UNESCO pela Paz”, apresentará no teatro do SESC Pinheiros canções de seu primeiro disco, “A Little More Blue”, em que interpreta composições de Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil. O disco é uma carinhosa homenagem à música popular brasileira e aos seus autores de resistência nos anos da ditadura militar.



Em sua adolescência, Maria de Medeiros aprendeu a decifrar nas entrelinhas das canções a resistência de compositores brasileiros. No álbum, Medeiros ordena de maneira inédita o sentido das canções interpretadas, nascidas em ambiente de repressão, frustrações políticas e desejos de transformação.

Maria de Medeiros nasceu em Lisboa, Portugal, em 1965. Reconhecida atriz internacional, já foi a frágil e insegura mulher de Bruce Willis em “Pulp Fiction” (1994), de Quentin Tarantino; a emotiva e transgressora escritora Anaïs Nin em “Henry & June” (1990), de Phillip Kaufman; a doida e alienada amante de um empresário da construção civil em “Ovos de Ouro” (1993), de Bigas Luna; entre outros inúmeros papéis.

Como diretora, seu primeiro longa-metragem foi o drama “Capitães de Abril”, que recebeu o Prêmio do Júri Internacional da 24ª Mostra de Cinema em 2000. Em 2004, a Mostra exibiu seu segundo longa, o documentário “Bem Me Quer...Mal Me Quer”, sobre a relação de amor e ódio entre artistas e críticos. Medeiros dirigiu um dos segmento de “Bem-Vindo a São Paulo”, longa-metragem coletivo realizado em São Paulo por vários cineastas internacionais consagrados a convite de Leon Cakoff, diretor da Mostra. O filme foi exibido na 28ª Mostra e lançado em circuito comercialmente em circuito nacional em 2007.







Os prêmios



Fiel à sua vocação de contemplar a diversidade cinematográfica e revelar novos talentos, a Mostra, além de proporcionar ao público uma seleção do melhor da produção cinematográfica mundial, também premia os melhores filmes.



O festival promove a Competição de Novos Diretores, da qual participam cineastas que tenham realizado no máximo seu segundo longa-metragem e cujo filme inscrito tenha sido concluído neste ano, sem exibição pública no Brasil. Os vencedores da Competição Novos Diretores recebem da Mostra o troféu Bandeira Paulista, uma criação da artista plástica Tomie Ohtake.



O Festival também traz ao público um panorama da mais importante e representativa produção do cinema mundial dos dois últimos anos, que são exibidos na seleção Perspectiva Internacional. Os filmes desta seleção concorrem ao prêmio do público nas categorias Melhor Longa Estrangeiro e Melhor Longa Brasileiro.



Em seção destinada a novas linguagens e a realizadores que produzem filmes para cinema, televisão e internet, a Mostra traz a seleção Mostra Médias e Curtas, com filmes de média e curta-metragem. Os filmes inscritos nesta seção serão avaliados por um júri específico e concorrerão nas categorias Melhor Média Estrangeiro, Melhor Média Brasileiro, Melhor Curta Estrangeiro e Melhor Curta Brasileiro.



História da Mostra



Dirigida por Renata de Almeida e Leon Cakoff, o evento orgulha-se de suas contribuições pela circulação de idéias e a promoção da diversidade cultural em São Paulo e no país.



O festival foi criado em 1977 pelo crítico de cinema Leon Cakoff para celebrar os 30 anos da fundação do Masp - Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand. Nos sete anos em que a Mostra foi realizada pelo Departamento de Cinema do Masp, dirigido por Cakoff, muitos desafios de censura tiveram que ser superados, pois o país vivia sob ditadura militar. Apenas em 1985, após batalha jurídica travada pela Mostra, o festival pôde exibir seus filmes sem que estes fossem submetidos à censura prévia. A medida que beneficiou a Mostra, instituída por portaria do Ministério da Justiça, estendeu-se a todo o território brasileiro e também beneficiou outros festivais de cinema que haviam passivamente incorporado a censura prévia a seus regulamentos



A primeira edição da Mostra Internacional de Cinema apresentou 16 longas-metragens e sete curtas (de 17 países), teve 40 sessões no Grande Auditório do Masp e inaugurou a modalidade do voto do público que nunca mais foi abandonada. Venceu então o Prêmio do Público “Lúcio Flávio, passageiro da Agonia”, de Hector Babenco.



Em sua 31ª edição, realizada entre 19 de outubro e 1º de novembro de 2007, a programação da Mostra Internacional de Cinema ofereceu uma seleção composta por 370 longas, 67 curtas e 24 médias, totalizando 461 filmes de 77 países e 1.181 sessões.



Patrocinadores



A 32a Mostra Internacional de Cinema em São Paulo é uma realização da ABMIC – Associação Brasileira Mostra Internacional de Cinema com patrocínio da Petrobras Distribuidora; apoio cultural do SESC São Paulo, Ministério da Cultura, Governo Federal, Secretaria de Estado da Cultura e Sabesp; apoio institucional da Imprensa Oficial, Memorial da América Latina, São Paulo Turismo e Secretaria da Cultura do Município de São Paulo; apoio da FAAP, Unibanco, Hotel Renaissance, Editora Cosac Naify e Conjunto Nacional; e promoção da Folha de S. Paulo.

2º Festival de curtas-metragens 'Entretodos' está com inscrições abertas

Promovendo a discussão de temas relacionados com os direitos humanos, a segunda edição do festival terá, entre os integrantes do seu júri de seleção, nomes como Fernando Meirelles, Cláudio Tozzi e André Goldman.


Estão abertas até 17 de outubro as inscrições para participação no 2º Festival de Curtas Metragens 'Entretodos', promovido pela Comissão Municipal de Direitos Humanos de São Paulo, com organização da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP, uma escola criada em 27 de abril de 1933, por iniciativa de pouco mais de uma centena de figuras eminentes da sociedade paulistana, dentre as quais se destacam os dirigentes das principais entidades de ensino de São Paulo.



O festival é aberto à participação de pessoas de todo o país, sem limite de idade, e também a produções de língua estrangeira (desde que legendadas). Nesta segunda edição, o júri de seleção do festival contará com nomes como o do cineasta Fernando Meirelles, além de Cláudio Tozzi e André Goldman.



O 'Entretodos' premiará em dinheiro categorias como: melhor filme, melhor roteiro, jovem diretor e prêmio de bolso. Há ainda uma categoria especial: Mochileiro, cujo vencedor do prêmio viajará pelo país para promover os curtas-metragens.



Criado em 2007, o Festival 'Entretodos' procura abrigar, em seis eixos temáticos, todos os princípios da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Os temas em questão são:



- 'Origem e Deslocamento - filmes com temas relacionados às correntes migratórias, fronteiras geográficas, étnicas, sociais, econômicas e de identidade;



- Mundo interior - relação com a espiritualidade, o pensamento metafísico, questões da paz e da religião;



- TecnoCultura - tema ligado à liberdade de pensamento e expressão, mídia e o direito à informação, ao uso e ao acesso à tecnologia;



- Núcleos e nichos - universo em torno do indivíduo, da família, da comunidade, solidariedade e meio ambiente;



- Cotidiano - questões ligadas ao exercício da cidadania e ao pleno direito ao trabalho, à educação e à igualdade;



- O lugar do corpo - englobando temas como bem estar, saúde física e mental e diversidade sexual.



Mais informações sobre o festival podem ser obtidas no site www.entretodos.com.br.



FESPSP: 75 anos de tradição, pioneirismo e inovação

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Butantan incentiva atividade de leitura

Espaço ao ar livre pretende estimular público em hábito de leitura; no local haverá contador de histórias



O Instituto Butantan, órgão da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, realizará no domingo, dia 21 de setembro, a atividade "Espaço de Leitura, Butantan-Biblioteca Camilla Cerqueira César", em parceria com a Biblioteca Camilla Cerqueira César, integrante do Sistema Municipal de Bibliotecas.

O objetivo da atividade é oferecer a oportunidade de exercitar a leitura e conhecer autores e obras, como uma contribuição efetiva de acesso à cultura. Livros infanto-juvenis e para adultos, jornais, revistas, histórias em quadrinhos, gibis e folhetos estarão à disposição dos visitantes.

A atividade gratuita será ao ar livre, na Alameda, junto ao Museu de Rua. Haverá tenda para a escolha de títulos e um contador de histórias que garantirá a diversão das crianças.

O "Espaço de Leitura" será realizado no domingo, dia 21, das 10h00 às 16h00. O Instituto Butantan fica na avenida Vital Brasil, 1500, Butantã, Zona Oeste da capital.

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Especialistas reúnem-se em SP para discutir os avanços mais recentes no ensino de música




Encontro acontece nos dias 8 a 11 de outubro, no Instituto de Artes da Unesp, em São Paulo, e discutirá a volta do ensino de música à escola pública brasileira

Especialistas em educação musical de várias partes do Brasil e de outros países do mundo reúnem-se no início de outubro em São Paulo para discutir e experimentar novas práticas no ensino de música durante o XVII Encontro Nacional da ABEM - Associação Brasileira de Educação Musical.

O evento será realizado no Instituto de Artes da Unesp, na capital paulista, e discutirá temas como o ensino à distãncia, as novas ferramentas de ensino em sala de aula e, especialmente, os desafios colocados para a reinclusão do ensino de música nas escolas públicas brasileiras.

Informações no site www.17encontroabem.com.br

16ª Expo São Roque acontece em outubro

Festa que movimenta a cidade e atrai visitantes de todo o país apresenta atrações para todos os gostos e idades
Apreciadores de alcachofra e vinhos não podem perder a maior festa do gênero do Estado de São Paulo, a Expo São Roque. Em sua 16ª edição, a festa acontece entre os dias 03 e 26 de outubro, sempre às sextas, sábados e domingos, das 10h às 22h, na Estância Turística de São Roque, a apenas 60 km da Capital. Promovida pelo Sindusvinho – Sindicato da Indústria do Vinho de São Roque, o evento deve reunir mais de 70 mil pessoas que buscam lazer, diversão e ainda degustação dos vinhos e apreciação dos mais variados pratos preparados com alcachofra. O recinto possui 50 mil m² cercado pela Mata Atlântica que além da beleza, promove um clima de montanha.



Serviço:

16ª. Expo São Roque

Local: Recanto da Cascata – São Roque

(Rodovia Raposo Tavares, km 60, com acesso também pela Rodovia Castelo Branco, saída 54)

Data: 3 a 26 de outubro, sempre de sexta a domingo

Horário: das 10h às 22h

Preços: R$ 3,00 (sexta-feira, promocional); R$ 10,00 (sábados, domingos e feriados). Estudantes e pessoas acima de 60 anos pagam meia-entrada. Crianças até 08 anos acompanhadas não pagam

Estacionamento: R$ 10,00

Informações: (11) 4712.3231

www.exposaoroque.com.br

Olimpíada de Algoritmo reúne palestrantes de peso

Com programação agendada entre 10 de outubro e 1º de novembro, a II Olimpíada de Algoritmo Hostnet ganha força em sua primeira edição nacional. Desde o seu lançamento, já são mais de 50 escolas confirmadas, entre elas, 16 Cefets.


Os estudantes que competirem na fase final da II OAH terão a oportunidade de participar da Latinoware, maior conferência de Software Livre da América Latina, em Foz do Iguaçu-PR. O evento será uma oportunidade de troca de experiências e contato com profissionais da área, além de assistirem a palestras dos maiores especialistas no assunto.


Dentre a lista de convidados para participar da premiação no dia 1º de novembro estão Jon "Maddog" Hall, Luli Radfahrer e Gustavo Guanabara, que também formam o time de palestrantes do Latinoware.


Guru do software livre e presidente da Linux Internacional Maddog apresentará o tópico Computação Sustentável - Computação para o Século XXI, que aborda a sustentabilidade na computação. Luli é PhD em Comunicação Digital e será responsável por falar sobre o mercado mundial de tecnologia com a palestra Nós Somos os Gringos Deles - O Mundo é Pequeno para os Profissionais de Talento. Por fim, o blogeiro e professor de informática Guanabara comenta o tema Comunicação em Rede Sociais. Novas Mídias, Nova Gera&cc edil;ão e sobre sua experiência com redes sociais e como ela passa a fazer parte do cotidiano de toda uma geração.


A programação da Latinoware conta com outras atrações, além da Final da II Olimpíada de Algoritmo Hostnet, como palestras, mini-cursos, Prêmio Latinoware de Software Livre 2008, III Olimpíada de Robótica, entre outras. Acompanhe o site para mais informações: http://2008.latinoware.org.

Mestardo em Sanidade e Segurança Alimentar

O Instituto Biológico da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, oferece curso de pós-graduação "strictu sensu", nível Mestrado na área Multidisciplinar em "Sanidade, Segurança Alimentar e Ambiental no Agronegócio". O programa credenciado pela CAPES está com processo seletivo aberto para o biênio 2009-2010.

As inscrições deverão ser feitas pessoalmente, no período de 06 a 31 de outubro de 2008, na Secretaria de Pós-Graduação do Instituto Biológico, situado à Avenida Conselheiro Rodrigues Alves 1252, Vila Mariana, São Paulo (SP), das 9 horas às 12 horas e das 14 horas às 16 horas.

www.biologico.sp.gov.br/posgraduacao